terça-feira, 3 de agosto de 2010

03 de Agosto

Confiando nas pessoas

 

“Muitos de nós não teriam tido para onde ir, se não tivessem confiado nos grupos e membros de NA.”
Texto Básico - p.92

Confiar nas pessoas é um risco. Seres humanos são notadamente esquecidos, pouco dignos de confiança e imperfeitos. Muitos de nós vêm de passados onde a traição e insensibilidade entre amigos eram ocorrências comuns. Mesmos os nossos amigos mais confiáveis não eram muito confiáveis. Quando chegamos às salas de NA muitos de nós tinham centenas de experiências que sustentavam a nossa convicção de que as pessoas não dignas de confiança. Mas a nossa recuperação requer que confiemos nas pessoas. Encaramos o seguinte dilema: as pessoas não são sempre dignas de confiança, mas precisamos confiar nelas. Como podemos fazer isto, dadas as evidências de nossos passados?
Em primeiro lugar, nos lembramos que as regras da adicção ativa não se aplicam à recuperação. Muitos de nossos companheiros estão dando o melhor de si para viver de acordo com os princípios que aprendemos no programa. Em segundo, nos lembramos de que nós também não somos 100% confiáveis. Certamente iremos desapontar alguém em nossas vidas, não importa o quanto tentemos não fazê-lo. Em terceiro, o mais importante, percebemos que precisamos confiar nos nossos companheiros de NA. As nossas vidas estão em jogo e a única maneira de nos manter limpos é confiar neste pessoal bem intencionado que, admitimos, não é perfeito.

Só por hoje: eu vou confiar em meus companheiros. Mesmo não sendo perfeitos, eles são a minha melhor