sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

Saúde em 1º lugar




         Depois de um período de Hospital estou de volta. me recuperando e esperando a cirurgia. Ganhei uma hernia no estômago.

         Mais isso é o de menos Porque se o PS colocou isso em meu caminho é que posso passar por essa provação.



                                                 SPH.

Meditação do Dia SEXTA, 07 DE DEZEMBRO DE 2012


Meditação do Dia

SEXTA, 07 DE DEZEMBRO DE 2012





Sobreviver às nossas emoções
"Usamos os instrumentos ao nosso dispor e desenvolvemos a capacidade para sobreviver às nossas emoções." Texto, Básico, p. 30
"Sobreviver às minhas emoções?". dizem alguns de nós. "Estás a brincar!" Quando estávamos a usar nunca nos demos a oportunidade de aprender a sobreviver a elas. Achávamos que não era suposto sobrevivermos a sentimentos - tínhamos era de os drogar. O problema era que a "cura" para as nossas intoleráveis emoções estava a matar-nos. Foi então que viemos para Narcóticos Anónimos, começámos a trabalhar os Doze Passos e, como resultado, começámos a crescer emocionalmente. Muitos de nós encontraram alívio emocional logo de início. Sentíamo-nos cansados de fingir que a nossa adicção e as nossas vidas estavam sob controlo - de facto até nos soube bem poder finalmente admitir que não era assim. Depois de partilharmos o nosso inventário com o nosso padrinho ou madrinha, começámos a sentir que não tínhamos que negar quem éramos ou o que sentíamos, só para sermos aceites. Quando acabámos de fazer as nossas reparações, soubemos que não tínhamos de sofrer mais com a culpa. Podíamos admiti-la e isso não iria matar-nos. Quanto mais trabalhávamos o programa de NA, melhor nos sentíamos a viver a vida tal como ela é para nós. O programa funciona hoje tão bem como sempre. Se olharmos para o nosso dia, se formos honestos no que respeita ao nosso papel nele, e se nos rendermos à realidade, seremos capazes de sobreviver aos sentimentos que a vida coloca no nosso caminho. Ao usarmos os instrumentos de que dispomos, desenvolvemos a capacidade de sobreviver às nossas emoções.

Só por hoje: Não vou negar os meus sentimentos. Vou praticar a honestidade e render-me à vida tal como ela é. Vou usar os instrumentos deste programa para sobreviver às minhas emoções.

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Meditação do Dia SEXTA, 16 DE NOVEMBRO DE 2012


Meditação do Dia

SEXTA, 16 DE NOVEMBRO DE 2012




Não mais sozinhos 
"Aos poucos e com cuidado, saímos do isolamento e da solidão da adicção e entramos na corrente da vida." Texto Básico, p. 42 
Muitos de nós passaram muito do seu tempo de uso sozinhos, a evitar a todo o custo outras pessoas - especialmente aquelas que não estivessem a usar. Depois de anos de isolamento nem sempre é fácil tentarmos encontrar um lugar para nós numa irmandade agitada, por vezes em alvoroço. Podemos continuar a sentir-nos isolados, olhando só para as nossas diferenças, em vez de para as nossas semelhanças. Os sentimentos opressivos que muitas vezes aparecem no início de recuperação - sentimentos de medo, raiva, e desconfiança - também podem manter-nos isolados. Podemos sentir-nos estranhos, mas não podemos esquecer-nos de que essa sensação de estranheza é nossa, não de NA. Em Narcóticos Anónimos é-nos dada uma oportunidade muito especial para ter amigos. Estamos junto de pessoas que nos entendem como mais ninguém pode entender. Somos encorajados a partilhar com essas pessoas os nossos sentimentos, os nossos problemas, as nossas vitórias, e os nossos falhanços. Lentamente o reconhecimento e a identificação que encontramos em NA transpõem o abismo de solidão e de inadequação que sentimos nos nossos corações. Como já ouvimos dizer, o programa resulta, se nós deixarmos. 

Só por hoje: A amizade de outros membros da irmandade é uma dádiva que me mantém vivo. Vou tentar alcançar a amizade que é oferecida em NA e aceitá-la.

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Meditação do Dia QUARTA, 14 DE NOVEMBRO DE 2012


Meditação do Dia

QUARTA, 14 DE NOVEMBRO DE 2012




Não se trata só de sobreviver 
"Quando usávamos drogas as nossas vidas tinham-se tomado um exercício de sobrevivência." Texto Básico, p. 59 
"Mais valia morrer!" é um refrão familiar para um adicto a usar, e com boas razões. Tudo o que víamos pela frente era a mesma existência miserável. O que nos prendia à vida era, no mínimo, ténue. A nossa degradação emocional, a falta de vida espiritual, e a esmagadora sensação de que nada iria mudar, eram constantes. Tínhamos pouca esperança e não tínhamos um conceito da vida que andávamos a perder. A ressurreição das nossas emoções, dos nossos espíritos e da nossa saúde física leva tempo. Quanto mais experiência ganhamos de viver, em vez de meramente existir, melhor compreendemos quão preciosa e deliciosa a vida pode ser. Viajar, brincar com uma criança pequena, fazer amor, alargar o nosso horizonte intelectual e formar relações, estão entre as actividades sem fim que significam "Estou vivo." Descobrimos tanta coisa de que gostamos e sentimo-nos gratos por haver uma segunda oportunidade. Se tivéssemos morrido na adicção activa, teríamos sido cruelmente privados de tantos encantos da vida. Cada dia agradecemos a um Poder superior a nós mesmos por mais um dia limpo e por mais um dia de vida.

Só por hoje: Estou grato por estar vivo. Vou fazer qualquer coisa, hoje, para celebrar.

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Felicidade no máximo

Pessoal ontem tive um dia maravilhoso, pois disputei a ultima etapa do campeonato gaucho de jiu-jitsu e fui campeão da minha categoria e 3 lugar na categoria absoluto. Só o PS mesmo.


Obrigado e Tamo Junto.

Meditação do Dia SEGUNDA, 12 DE NOVEMBRO DE 2012


Meditação do Dia




SEGUNDA, 12 DE NOVEMBRO DE 2012


A nossa própria história 
"Quando contamos a nossa história com honestidade, alguém poderá identificar-se connosco." Texto Básico, p. 110
Muitos de nós ouvem partilhas verdadeiramente cativantes, em convenções de Narcóticos Anónimos. Lembramo-nos da audiência alternar entre lágrimas de identificação e uma alegria hilariante. Podemos pensar: "Um dia seria também o partilhador principal numa convenção." Bom, para muitos de nós esse dia ainda está para vir. De vez em quando podem pedir-nos para partilhar numa reunião perto da nossa casa. Podemos falar num "workshop" de uma convenção pequena. Mas depois deste tempo todo, continuamos a não ser partilhadores "conhecidos" - e não faz mal. Aprendemos que, também nós, temos uma mensagem especial para partilhar, mesmo que seja só numa reunião local com quinze ou vinte adictos presentes. Cada um de nós tem apenas a sua história para contar; ape- nas isso. Não podemos contar a história de outra pessoa. Sempre que nos levantamos para falar, muitos de nós descobrem que todas as frases inteligentes e as histórias engraçadas parecem desaparecer das nossas mentes. Mas nós temos qualquer coisa para oferecer. Transmitimos a mensagem de esperança - podemos recuperar, e na verdade recuperamos da nossa adicção. E isso é o suficiente. 

Só por hoje: Vou lembrar-me de que a minha história honesta é aquela que eu partilho melhor. Hoje, isso é o suficiente.

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Meditação do Dia QUINTA, 08 DE NOVEMBRO DE 2012


Meditação do Dia

QUINTA, 08 DE NOVEMBRO DE 2012



Libertos da insanidade 
"Será insanidade chegar-se a alguém e pedir-lhe, 'Por favor; não se importava de me provocar um ataque de coração ou um acidente fatal?" Texto Básico, p. 28
Já ouvimos dizer que, a não ser que estejamos apaixonados, não conseguimos lembrar-nos de como o amor nos faz sentir. O mesmo pode ser dito sobre a insanidade: uma vez livres dela, podemos esquecer quão verdadeiramente bizarros podem ser os pensamentos insanos. Mas, para estarmos gratos pelo grau de sanidade à qual fomos devolvidos em Narcóticos Anónimos, temos de lembrar-nos de quão verdadeiramente insanos já fomos. Hoje pode ser difícil imaginarmo-nos a dizer algo tão ridículo como: "Por favor, não se importava de me provocar um ataque de coração ou um acidente fatal?" Ninguém no seu perfeito juízo pediria tal coisa. A questão é essa. Na nossa adicção activa, nós não estávamos no nosso perfeito juízo. Todos os dias punhamos a nossa adicção em prática, cortejávamos doenças fatais, a degradação, a exploração, o empobrecimento, o aprisionamento, a morte por violência ou, até, a morte por pura estupidez. Nesse contexto, a ideia de se pedir um ataque de coração ou um acidente fatal não parece assim tão estranha. Isso mostra quão insanos temos sido. O programa, a irmandade e o nosso Poder Superior - todos juntos têm realizado um milagre. O Segundo Passo não é uma esperança vã - é uma realidade. Ao sabermos o grau da insanidade que experimentámos, podemos apreciar melhor o poder miraculoso que já nos devolveu alguma sanidade. Por tudo isto, estamos verdadeiramente gratos. 

Só por hoje: Vou tirar algum tempo para me lembrar de quão insano fui quando a minha adicção estava activa. Depois vou agradecer ao meu Poder Superior pela sanidade que foi devolvida à minha vida.

quarta-feira, 7 de novembro de 2012


Meditação do Dia

QUARTA, 07 DE NOVEMBRO DE 2012



Sentir a vontade de Deus 
"Eu acreditava sinceramente que um Poder Superior podia restaurar-me à sanidade e que eu deixaria de tentar adivinhar a vontade de Deus, e aceitaria as coisas como elas eram, e sentir-me-ia grato." Basic Text, p. 198* *Livro 2 do Texto Básico inglês. 
Quanto mais tempo nos mantivermos limpos, menos certezas teremos de "conhecer" a vontade do nosso Poder Superior para nós - e menos isso importará. O conhecimento da vontade do nosso Poder Superior em relação a nós toma-se cada vez menos uma questão de "conhecer", e mais uma questão de "sentir". Continuamos a praticar o 11º Passo com fé. Mas em vez de procurarmos "sinais" do nosso Poder Superior, começamos a confiar mais na nossa intuição, nos nossos sentimentos acerca daquilo que nos deixará mais confortáveis. Depois de estarmos limpos há alguns anos, aquilo que parece que de facto sabemos é quando estamos a agir contra a vontade de Deus para nós. Quando estamos a ir contra a vontade de Deus, ficamos com aquele velho sentimento de desconforto no estômago. Esse desconforto é um aviso de que, se continuarmos nessa direcção, teremos muitas noites de insónia pela frente. Precisamos de prestar atenção a esses sentimentos, pois eles são muitas vezes um sinal de que estamos a agir contra aquilo que é a vontade do nosso Poder Superior para nós. O nosso 11º Passo indica claramente o verdadeiro objectivo da oração e da meditação: melhorar o nosso contacto consciente com o Deus da nossa concepção, trazendo-nos um conhecimento mais claro da vontade do nosso Poder Superior para nós e das forças para realizá-la. Nós sabemos qual é a vontade de Deus pela forma como a sentimos, e não através de quaisquer sinais ou palavras - e isso faz-nos sentir bem.

Só por hoje: Só por hoje: Vou rezar pelo conhecimento da vontade do meu Poder Superior em relação a mim, e pelas forças para realizar essa vontade. Vou prestar atenção aos meus sentimentos, e agir quando me sentir confortável com eles.

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Meditação do Dia SEGUNDA, 05 DE NOVEMBRO DE 2012


Meditação do Dia

SEGUNDA, 05 DE NOVEMBRO DE 2012


A orientação de Deus
"O nosso Poder Superior está sempre ao nosso alcance. Somos guiados quando rogamos pelo conhecimento da vontade de Deus em relação a nós." Texto Básico, p. 106
Nem sempre é fácil tomar a decisão certa. Isto é especialmente verdade para adictos que estão pela primeira vez a aprender a viver com princípios espirituais. Ao longo da nossa adicção desenvolvemos impulsos autodestrutivos e anti-sociais. Quando surgiam conflitos, seguíamos os nossos impulsos negativos. A nossa doença não nos preparava para a tomada de decisões acertadas. Hoje, para encontrarmos a direcção de que precisamos, pedimos ao nosso Poder Superior. Paramos, rezamos e escutamos calmamente a orientação que vem de dentro. Viemos a acreditar que podemos confiar num Poder superior a nós mesmos. Esse Poder está ao nosso dispor sempre que precisamos dele. Tudo o que é preciso é rezar pelo conhecimento da vontade de Deus em relação a nós e pelas forças para realizar essa vontade. Cada vez que fazemos isto, sempre que encontramos uma direcção no meio da confusão, a nossa fé cresce. Quanto mais confiamos no nosso Poder Superior, mais fácil se toma pedir uma direcção. Descobrimos o Poder que nos faltava durante a nossa adicção, um Poder que está sempre disponível para nós. Para encontrar a direcção de que precisamos para viver vidas preenchidas e crescer espiritualmente, tudo o que precisamos de fazer é manter o contacto com o Deus da nossa concepção.

Só por hoje: O meu Poder Superior é uma fonte de orientação espiritual dentro de mim, que está sempre ao meu alcance. Quando hoje procurar orientação, vou rogar pelo conhecimento da vontade do meu Poder Superior em relação a mim

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

Meditação do Dia QUINTA, 01 DE NOVEMBRO DE 2012


Meditação do Dia

QUINTA, 01 DE NOVEMBRO DE 2012


Despertar 
"Deus ajuda-nos quando nos ajudamos uns aos outros." Texto Básico, p. 60 
A nossa adicção levou-nos a pensar quase exclusivamente em nós próprios. Mesmo as nossas orações - se é que alguma vez rezámos - eram centradas em nós. Pedíamos a Deus que nos arranjasse coisas, ou que nos livrasse de problemas. Porquê? Porque não queríamos viver com os problemas que nós próprios criávamos. Sentíamo-nos inseguros. Julgávamos que o importante na vida era receber, e queríamos sempre mais. Em recuperação recebemos de facto mais - mais do que apenas não usar. O despertar espiritual que experimentamos ao praticar os Doze Passos revela-nos uma vida que nunca julgáramos possível. Não precisamos mais de nos preocupar se teremos o "suficiente", pois viemos a confiar num Poder Superior amantíssimo que vai ao encontro de todas as nossas necessidades diárias. Aliviados da nossa incessante insegurança, não vemos mais o mundo como um local onde competimos com os outros para a realização dos nossos desejos. Em vez disso, vemos o mundo como um local onde viver o amor que o nosso Poder Superior nos mostrou. As nossas orações não são para gratificação imediata; são para nos ajudar a ajudarmo-nos uns aos outros. A recuperação desperta-nos do pesadelo do egocentrismo, do conflito e da insegurança, que estão no centro da nossa doença. Despertamos para uma nova realidade: tudo aquilo que vale a pena ter só pode ser mantido se for partilhado. 

Só por hoje: O meu Deus ajuda-me à medida que eu ajudo outros. Hoje vou procurar ajuda para partilhar o amor que o meu Poder Superior me deu, sabendo que essa é a forma de preservá-lo.

terça-feira, 30 de outubro de 2012

Meditação do Dia Terça, 30 de Outubro de 2012


Meditação do Dia

Terça, 30 de Outubro de 2012


Coragem
"A nossa fé, recém-descoberta, funciona como uma base firme para termos coragem no futuro." Texto Básico, p. 107

Em Narcóticos Anónimos não há lugar para pieguices! Enfrentar a vida como ela é, sem usar drogas, nem sempre é fácil. A recuperação requer mais do que esforço - requer uma grande dose de coragem. Mas afinal o que é a coragem? Uma rápida olhadela ao dicionário irá elucidar-nos. Temos coragem quando, em vez de fugirmos, enfrentamos e lidamos com qualquer coisa que julguemos ser difícil, perigoso ou doloroso. Coragem significa ser-se forte, ter-se um propósito, ter-se um espírito. Então o que é na realidade coragem? Coragem é uma atitude, uma atitude de perseverança. É disto que um adicto em recuperação realmente precisa - perseverança. Assumimos o compromisso de trabalhar o nosso programa, de não usar, aconteça o que acontecer. Um adicto corajoso é aquele que não usa, um dia de cada vez, não importa o que aconteça. E o que é que nos dá coragem? Uma relação com o Poder Superior dá-nos a força e a coragem para nos mantermos limpos. Sabemos que, enquanto estivermos nos cuidados de Deus, teremos o poder de que precisamos para enfrentar a vida tal como ela é.

Só por hoje: Tenho um Poder Superior que cuida de mim, aconteça o que acontecer. Sabendo isso, vou esforçar-me por ter hoje uma atitude de coragem.       

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Meditação do Dia QUARTA, 24 DE OUTUBRO DE 2012


Meditação do Dia

QUARTA, 24 DE OUTUBRO DE 2012


Responsabilidade 
"Não somos responsáveis pela nossa doença, mas apenas pela nossa recuperação. À medida que começamos a aplicar aquilo que aprendemos, as nossas vidas começam a mudar para melhor." Texto Básico, p. 102
Quanto mais avançamos na nossa recuperação, menos evitamos a responsabilidade por nós próprios e pelas nossas acções. Ao aplicarmos os princípios do programa de Narcóticos Anónimos, somos capazes de mudar as nossas vidas. A nossa existência ganha um novo sentido ao aceitarmos a responsabilidade e a liberdade de escolha que ela implica. Não tomamos a recuperação por garantida. Tomamos responsabilidade pela nossa recuperação ao trabalharmos os Doze Passos com um padrinho ou madrinha. Vamos a reuniões com regularidade e partilhamos com o recém-chegado aquilo que nos foi livremente dado: a dádiva de recuperação. Envolvemo-nos com o nosso grupo-base e aceitamos a nossa responsabilidade em partilhar a recuperação com o adicto que ainda sofre. À medida que aprendemos a praticar estes princípios espirituais de uma forma eficaz, em todas as áreas das nossas vidas, a qualidade das nossas vidas melhora.

Só por hoje: Ao utilizar os instrumentos espirituais que obtive em recuperação, estou disposto a, e capaz de, fazer escolhas responsáveis.

terça-feira, 23 de outubro de 2012

Meu dia é assim.

Bom dia gente hoje mostro a mais um amigo meu blog, um serviço que faço de coração para que nunca uma pessoas fique sem uma palavra de conforto e fique sozinho

Pois esse mundo todos estão para nos destruir e nunca nos ajudar.



SOU WAGNER FELIPE RIBEIRO. e sou mais um guerreiro sobrevivendo a esse mundo cão que nos da a vida e dependendo da nossa opção também a morte.

Só por hoje.


Eu me abraço a vocês e uno o meu coração aos seusm para que juntos possamos fazer tudo aquilo que SOZINHO EU NÃO CONSIGO.

Meditação do Dia TERÇA, 23 DE OUTUBRO DE 2012


Meditação do Dia

TERÇA, 23 DE OUTUBRO DE 2012




Rendição
"Quando deixamos de tentar controlar; tomamo-nos muito mais fortes." Texto Básico, p. 51 
Quando andávamos a usar, fazíamos tudo o que podíamos para as coisas correrem à nossa maneira. Usávamos todos os esquemas imagináveis para termos o nosso mundo sob controle. Quando tínhamos o que queríamos, sentíamo-nos poderosos e invencíveis; quando não tínhamos, sentíamo-nos vulneráveis e derrotados. Mas isso não nos fazia parar - só nos levava a esforçarmo-nos ainda mais para controlar e manipular as nossas vidas. Arranjar esquemas era a nossa forma de negar a nossa impotência. Enquanto nos distraíamos com os nossos planos, podíamos adiar a aceitação de que não tínhamos controle. Só aos poucos fomos compreendendo que as nossas vidas se tinham desgovernado e que toda a desonestidade e manipulação do mundo não iriam pôr as nossas vidas em ordem. Quando admitimos a nossa impotência, paramos de tentar controlar e fazer as coisas à nossa maneira - rendemo-nos. Dado que sozinhos não temos em nós a força suficiente, procuramos um Poder superior a nós mesmos; ao precisarmos de apoio e de orientação, pedimos a esse Poder que cuide da nossa vontade e das nossas vidas. Pedimos a outros adictos em recuperação que partilhem a sua experiência de vida com o programa de NA, em vez de tentarmos programar as nossas próprias vidas. O poder e a orientação que procuramos estão à nossa volta; precisamos apenas de nos virar para fora de nós próprios para os encontrarmos. 

Só por hoje: Não vou tentar arranjar esquemas, ou manipular as coisas à minha maneira, para conseguir governar a minha vida. Através do programa de NA vou render-me aos cuidados do meu Poder Superior.

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Voltei com força total.

Tive dificuldades e com isso parei de postar: serviço, familia e brigas. só que meu PS colocou novamente em minha vida companheiros de boa vontade. Através de Faceboock ou até mesmo encontrando os na rua ou em uma lotação.

E isso que me da forçar para arrumar um tempo e continuar postando.

Só por hoje, deixarei de procrastinar e arrumar um tempo para me dedicar a ajudar os outros. 

SEGUNDA, 22 DE OUTUBRO DE 2012


Meditação do Dia

SEGUNDA, 22 DE OUTUBRO DE 2012



Olhem quem fala
"A nossa doença é tão manhosa que pode meter-nos em situações impossíveis." Texto Básico, p. 94 
Alguns de nós dizem, "A minha doença está a falar comigo." Outros dizem, "A minha cabeça não pára." Ainda outros referem-se ao "comité dentro da minha cabeça", ou a uma "vozinha que nos sussurra ao ouvido". Sejamos honestos! Sofremos de uma doença incurável que continua a afectar-nos, mesmo em recuperação. A nossa doença dá-nos informações deturpadas acerca do que se passa nas nossas vidas. Diz-nos para não olharmos para nós próprios porque o que iremos ver é demasiado assustador. Por vezes diz-nos que não somos responsáveis por nós próprios e pelas nossas acções; outras vezes, diz-nos que tudo o que está errado no mundo é por nossa culpa. A nossa doença engana-nos, conseguindo levar-nos a confiar nela. O programa de NA dá-nos outras vozes que contrariam a nossa adicção, vozes em que podemos confiar. Podemos telefonar ao nosso padrinho ou madrinha para nos ajudar a ver a realidade. Podemos ouvir a voz de um adicto a tentar ficar limpo. A solução básica é trabalhar os passos e receber a força de um Poder Superior. Isso irá ajudar-nos a atravessar aqueles momentos em que "a nossa doença nos fala".

Só por hoje: Vou ignorar a "voz" da minha adicção. Vou escutar a voz do meu programa e de um Poder superior a mim mesmo.

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

Meditação do Dia QUARTA, 03 DE OUTUBRO DE 2012



Meditação do Dia

QUARTA, 03 DE OUTUBRO DE 2012


Perder a vontade própria
"Os nossos egos, antes tão grandes e dominadores, deixam-se agora ficar num segundo plano, pois estamos em harmonia com um Deus amantíssimo. Descobrimos que vivemos vidas mais ricas, mais felizes e mais plenas, quando abandonamos a vontade própria." Texto Básico, p. 117 
A adicção e a vontade própria andam de mãos dadas. O desgoverno que admitimos no Primeiro Passo resultou tanto da nossa vontade própria como do nosso abuso crónico de drogas. E hoje, viver de acordo com a nossa vontade própria pode tornar as nossas vidas tão desgovernadas como quando usávamos. Quando as nossas ideias, os nossos desejos, as nossas exigências, têm a primazia nas nossas vidas, vemo-nos em constante conflito com tudo e todos à nossa volta. A nossa vontade própria reflecte a nossa dependência do ego. A única coisa que nos libertará da nossa vontade própria, e do conflito que ela provoca nas nossas vidas, é quebrarmos a nossa dependência do ego, e dependermos antes da orientação e da força que nos é dada por um Deus amantíssimo. Somos ensinados a recorrer a princípios espirituais, e não aos nossos desejos egoístas, sempre que tomarmos decisões. Somos ensinados a procurar a orientação de um Poder Superior, que tem uma visão mais alargada das coisas do que nós. Ao fazermos isso, descobrimos que as nossas vidas se adaptam mais facilmente à realidade à nossa volta. Não mais nos excluímos do fluxo da vida; tornamo-nos parte dela e descobrimos a quantidade de coisas que a recuperação tem para dar. 

Só por hoje: Procuro libertar-me do ego e dos conflitos causados pela vontade própria. Vou esforçar-me por melhorar o meu contacto consciente com o Deus da minha concepção, procurando a orientação e a força de que preciso para viver em harmonia com o meu mundo.

terça-feira, 2 de outubro de 2012

Meditação do Dia TERÇA, 02 DE OUTUBRO DE 2012



Meditação do Dia

TERÇA, 02 DE OUTUBRO DE 2012


Manter a fé
"Agarramo-nos à força ilimitada que nos traz a oração diária e a entrega, e rendemo-nos enquanto tivermos fé e a renovarmos." Texto Básico, p. 52 
A recuperação tem duas fases: ficarmos limpos, e mantermo-nos limpos. Ficarmos limpos é relativamente fácil, pois só temos que fazê-lo uma vez. Mantermo-nos limpos é mais difícil, exigindo a nossa atenção todos os dias. E, no entanto, o poder de ambas emana da fé. Ficámos limpos pela fé. Admitimos que a adicção era mais poderosa do que nós, e parámos de tentar lutar sozinhos contra ela. Entregámos a batalha a um Poder superior a nós mesmos, e com a ajuda desse Poder Superior deixámos as drogas. Mantemo-nos limpos, cada dia, da mesma forma: pela fé. Só por hoje, rendemo-nos. A vida pode ser demasiado complexa para a enfrentarmos sozinhos. Quando é assim, procuramos um Poder superior a nós mesmos. Rezamos, pedindo ao nosso Poder Superior que nos dê orientação e força para segui-la. Ao exercitarmos e renovarmos a nossa fé diariamente, adquirimos as energias necessárias para viver vidas limpas e preenchidas. Existem forças ilimitadas ao nosso dispor, sempre que precisemos. Para isso basta-nos manter a nossa fé no Poder Superior que nos pôs e nos mantém limpos.

Só por hoje: Foi com a fé que fiquei limpo, e é com a fé que me mantenho limpo. Hoje vou manter a fé no meu Poder Superior. Vou renovar a minha entrega e rezar por conhecimento e força.

terça-feira, 25 de setembro de 2012

Meditação do Dia TERÇA, 25 DE SETEMBRO DE 2012


Meditação do Dia

TERÇA, 25 DE SETEMBRO DE 2012


O Quarto Passo - medo das nossas emoções 
"Podemos recear que entrar em contacto com os nossos sentimentos possa espoletar uma enorme reacção de dor e de pânico." Texto Básico, p. 35 
Uma coisa de que costumamos queixar-nos do Quarto Passo é a de que ele torna-nos dolorosamente conscientes dos nossos defeitos. Podemos sentir a tentação de vacilar no nosso programa de recuperação. Através da rendição e da aceitação, podemos encontrar os recursos de que precisamos para continuar a praticar os passos. Não é a consciência dos nossos defeitos que nos causa maior dor - são, sim, os próprios defeitos. Quando andávamos a usar, tudo o que sentíamos eram as drogas; podíamos ignorar o sofrimento que os nossos defeitos nos causavam. Agora que já não há drogas, sentimos essa dor. Recusarmos reconhecer a origem da nossa angústia não faz com que ela desapareça; a negação protege a dor e torna-a mais forte. Os Doze Passos ajudam-nos a lidar com a miséria causada pelos nossos defeitos, ao lidarmos directamente com os defeitos. Se sentirmos a dor dos nossos defeitos, podemos recordar-nos do pesadelo da adicção, um pesadelo do qual acordámos agora. Podemos lembrar-nos da esperança que o Segundo Passo nos trouxe. Podemos voltar a entregar a nossa vontade e a nossa vida, através do Terceiro Passo, aos cuidados de um Deus da nossa concepção. O nosso Poder Superior cuida de nós ao dar-nos a ajuda necessária para trabalhar o resto dos Doze Passos. Não precisamos de ter medo dos nossos sentimentos. Só por hoje, podemos continuar a nossa recuperação.

Só por hoje: Não vou ter medo dos meus sentimentos. Com a ajuda do meu Poder Superior vou prosseguir na minha recuperação.

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Meditação do Dia QUARTA, 19 DE SETEMBRO DE 2012


Meditação do Dia

QUARTA, 19 DE SETEMBRO DE 2012


Irmandade
"Em NA, as nossas alegrias são multiplicadas ao partilharmos os dias bons; as nossas mágoas atenuam-se ao partilharmos os maus momentos. Pela primeira vez nas nossas vidas, não temos de experimentar nada sozinhos." IP no 16, Para o recém-chegado 
Quando praticamos os passos e os outros instrumentos do programa para lidarmos com as nossas dificuldades, tornamo-nos capazes de gozar as alegrias de uma vida limpa. Mas as nossas alegrias passarão depressa se não as partilharmos com outros, enquanto que as dificuldades vividas sozinhas poderão demorar a passar. Na irmandade de Narcóticos Anónimos, costumamos multiplicar as nossas alegrias e dividir as nossas dificuldades ao partilhá-las uns com os outros. Nós, adictos, experimentamos alegrias em recuperação que, por vezes, só um outro adicto consegue apreciar. Os outros membros compreendem quando lhes falamos do orgulho que sentimos hoje ao assumirmos responsabilidades, do calor que sentimos em reparar relacionamentos danificados, do alívio que experimentamos em não termos de usar drogas para atravessar o dia. Quando partilhamos estas experiências com adictos em recuperação, e eles respondem com histórias semelhantes, a nossa alegria é multiplicada. 0 mesmo princípio aplica-se aos desafios que enfrentamos como adictos em recuperação. Ao partilharmos os nossos desafios e permitirmos que outros membros de NA partilhem connosco a sua força, o nosso fardo é aliviado. A irmandade que temos em Narcóticos Anónimos é preciosa. Ao partilharmos juntos, aumentamos as alegrias e diminuímos as dificuldades da vida em recuperação.

Só por hoje: Vou partilhar as minhas alegrias e as minhas dificuldades com outros adictos em recuperação. Vou também partilhar as deles. Sinto-me grato pelos fortes laços existentes em Narcóticos Anónimos.

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Meditação do Dia SEGUNDA, 17 DE SETEMBRO DE 2012


Meditação do Dia

SEGUNDA, 17 DE SETEMBRO DE 2012


Ir além do Quinto Passo 
"Podemos achar que já fizemos o suficiente ao escrevermos sobre o passado. Não podemos cair nesse erro." Texto Básico, p. 37
Alguns de nós não têm grande vontade de escrever um Quarto Passo; outros levam-no a um extremo. Perante o crescente desespero do nosso padrinho ou madrinha, nós não paramos de nos inventariar. Descobrimos tudo aquilo que há para descobrir sobre os motivos porque éramos como éramos. Achamos que pensar, escrever, e falar sobre o nosso passado é o suficiente. Não ouvimos nenhuma das sugestões do nosso padrinho ou madrinha para nos prontificarmos a que os nossos defeitos sejam removidos ou para fazermos reparações pelos danos que causámos. Limitamo-nos a escrever cada vez mais sobre esses defeitos e deliciamo-nos a partilhar aquilo que vamos vendo. Por fim, o nosso padrinho ou madrinha, já completamente esgotados, recuam em autodefesa. Por mais extremo que este cenário possa parecer, muitos de nós já se viram nesta situação. Pensar, escrever e falar sobre aquilo que estava errado connosco levavam-nos a pensar que tínhamos tudo sobre controlo. Mais cedo ou mais tarde, todavia, compreendemos que continuávamos presos aos nossos problemas, sem qualquer solução à vista. Sabíamos, que, se quiséssemos viver de forma diferente, teríamos que ir mais além do Quinto Passo no nosso programa. Começámos a procurar a boa-vontade para que um Poder Superior removesse os defeitos de carácter de que nos havíamos tornado tão cientes. Fizemos reparações pela destruição que havíamos causado a outros ao agirmos nesses defeitos. Só então é que começámos a experimentar a liberdade de um espírito acordado. Hoje já não somos mais vítimas; somos livres para irmos em frente na nossa recuperação.

Só por hoje: Embora sejam necessários, o Quarto e o Quinto Passo sozinhos não nos trarão uma recuperação emocional e espiritual. Vou fazê-los, e depois vou pô-los em prática.

sexta-feira, 14 de setembro de 2012

Meditação do Dia SEXTA, 14 DE SETEMBRO DE 2012


Meditação do Dia

SEXTA, 14 DE SETEMBRO DE 2012


Os segredos são reservas 
"Acabamos por descobrir que temos de nos tornar honestos, ou voltaremos a usar." Texto Básico, p. 96 
Toda a gente tem segredos, não é verdade? Alguns de nós têm pequenos segredos, coisas que só causariam pequenos embaraços se fossem descobertas. Alguns de nós têm grandes segredos, áreas inteiras das nossas vidas cobertas de uma escuridão espessa e triste. Os grandes segredos podem representar um perigo mais óbvio e imediato para a nossa recuperação. Mas os pequenos segredos fazem também os seus estragos, mais insidiosos ainda porque nós julgamo-los "inofensivos". Grandes ou pequenos, os nossos segredos representam um território espiritual que não estamos dispostos a render aos princípios da recuperação. Quanto mais reservarmos pedaços das nossas vidas para serem geridas pela vontade própria, e quanto mais vigorosamente defendermos o nosso "direito" a agarrarmo-nos a eles, mais estragos iremos causar. Gradualmente, os territórios das nossas vidas que se renderam tenderão a expandir-se, ganhando mais e mais terreno. Quer sejam grandes ou pequenos, os segredos nas nossas vidas irão, mais cedo ou mais tarde, levar-nos ao mesmo sítio. Temos de escolher - ou rendemos tudo ao nosso programa, ou iremos perder a nossa recuperação. 

Só por hoje: Quero o tipo de recuperação que advém de uma rendição total ao programa. Hoje vou falar com o meu padrinho ou madrinha e revelar os meus segredos, sejam grandes ou pequenos.

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Meditação do Dia SEGUNDA, 10 DE SETEMBRO DE 2012



Meditação do Dia

SEGUNDA, 10 DE SETEMBRO DE 2012


Mais forte do que palavras 
"Aprendemos que um simples abraço amigo pode significar tudo." Texto Básico, p. 103 
Talvez tenha havido alturas na nossa recuperação em que estivemos perto de alguém em grande dor. Lutávamos com a questão, "O que é que eu posso fazer para que ele se sinta melhor?" Sentíamo-nos ansiosos e inadequados para aliviar o seu sofrimento. Gostaríamos de ter mais experiência para partilhar. Não sabiamos o que dizer. Mas por vezes a vida causa feridas que não conseguem ser saradas nem mesmo com as palavras mais sentidas. As palavras nunca conseguem exprimir tudo aquilo que sentimos, quando estão envolvidos os nossos mais profundos sentimentos de compaixão. A linguagem é inadequada para se chegar a uma alma ferida, dado que só o toque de um Poder Superior amantíssimo consegue sarar uma ferida no espírito. Quando aqueles que amamos sofreram uma perda e estão em dor, a nossa simples presença será talvez a contribuição mais compassiva que poderemos dar. Podemos estar seguros de que um Poder Superior amantíssimo está em acção a sarar o espírito; a nossa única responsabilidade é estarmos lá. A nossa presença, um abraço amigo, e uma atenção dedicada, irão certamente exprimir a profundidade dos nossos sentimentos, e fazer mais, para chegar ao coração de um ser humano em dor, do que apenas palavras alguma vez conseguiriam.

Só por hoje: Vou oferecer a minha presença, um abraço, e a minha atenção dedicada, a alguém que eu ame.

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

Meditação do Dia QUINTA, 06 DE SETEMBRO DE 2012


Meditação do Dia

QUINTA, 06 DE SETEMBRO DE 2012


Ida regular a reuniões 
"A nossa experiência colectiva tem-nos mostrado que aqueles que assistem regularmente às nossas reuniões mantêm-se limpos." Texto Básico. p. 11 
O programa de NA dá-nos um novo padrão de vida. Um dos elementos básicos desse novo padrão é a frequência regular de reuniões. Para o recém-chegado viver limpo é uma experiência inteiramente nova. Tudo aquilo que era familiar mudou. As velhas pessoas, os velhos lugares, as velhas coisas que serviam como adereços no palco das nossas vidas, desapareceram. Surgem novas pressões, já não mascaradas ou adormecidas pelas drogas. É por isso que costumamos sugerir aos recém-chegados que vão a uma reunião todos os dias. Não importa o que aconteça, não importa quão difícil o dia se torne, sabemos que a nossa reunião diária nos aguarda. Aí podemos renovar o contacto com outros adictos em recuperação, pessoas que sabem aquilo que nós estamos a atravessar porque também elas já o atravessaram. Não é preciso que haja um dia sem que procuremos o alívio que obtemos dessa irmandade. À medida que amadurecemos em recuperação, obtemos o mesmo tipo de benefícios de uma ida regular a reuniões. Não importa há quanto tempo estejamos limpos, nunca deixamos de ser adictos. É verdade que talvez não comecemos a usar enormes quantidades de drogas se faltarmos às nossas reuniões durante uns dias. Mas quanto mais regularmente formos a reuniões de NA, mais reforçaremos a nossa identidade como adictos em recuperação. E cada reunião ajuda-nos a afastar um pouco mais da possibilidade de voltarmos a ser adictos a usar. 

Só por hoje: Vou comprometer-me a incluir no meu novo padrão de vida uma ida regular a reuniões.

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Meditação do Dia QUARTA, 05 DE SETEMBRO DE 2012


Meditação do Dia

QUARTA, 05 DE SETEMBRO DE 2012


Não somos desesperadamente maus 
"Vemos que sofremos de uma doença, não de um dilema moral. O nosso problema é o de estarmos criticamente doentes, e não o de sermos desesperadamente maus." Texto Básico, p. 18 
Para muitos de nós Narcóticos Anónimos foi a resposta para uma já velha interrogação pessoal. Porque é que nos sentíamos sempre sozinhos, mesmo no meio de uma multidão? Porque é que fizemos tantas coisas loucas e autodestrutivas? Porque é que passávamos o tempo a sentir-nos mal connosco próprios? E como é que as nossas vidas se tornaram tão complicadas? Nós achávamos que éramos desesperadamente maus, ou talvez desesperadamente insanos. Foi assim um grande alívio vermos que sofríamos de uma doença. A adicção - era essa a fonte dos nossos problemas. Uma doença, fomos aprendendo, que podia ser tratada. E quando tratamos a nossa doença, podemos começar a recuperar. Hoje, quando vemos sintomas da nossa doença a virem à superfície nas nossas vidas, não precisamos de desesperar. Afinal de contas temos uma doença tratável, e não um dilema moral. Podemos estar gratos por podermos recuperar da doença da adicção através da aplicação dos Doze Passos de NA.

Só por hoje: Estou grato por ter uma doença tratável, e não um dilema moral. Vou continuar a aplicar o tratamento para a doença da adicção ao praticar o programa de NA.

sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Meditação do Dia SEXTA, 31 DE AGOSTO DE 2012




Meditação do Dia

SEXTA, 31 DE AGOSTO DE 2012


Gratidão 
"Problemas desesperados de vivência modificam-se para bem. A nossa doença foi travada e tudo é agora possível." Texto Básico, p. 118 
O programa de NA deu-nos mais liberdade do que alguma vez julgámos possível. Por vezes, porém, no nosso dia-a-dia, esquecemo-nos de tudo aquilo que nos foi dado. Como, exactamente, é que as nossas vidas mudaram em Narcóticos Anónimos? O denominador comum em recuperação é, claro, a libertação da compulsão para usar. Não mais precisamos de despender todos os nossos recursos a alimentar a nossa adicção. Já não precisamos de nos pôr em perigo, de nos humilharmos, ou abusar de nós próprios ou a outros, só para conseguirmos a dose seguinte. A própria abstinência trouxe grande liberdade para as nossas vidas. Narcóticos Anónimos tem-nos dado muito mais do que a simples abstinência - foi-nos dada toda uma vida nova. Fizemos o nosso inventário e identificámos os defeitos de carácter que nos amarraram durante tanto tempo, impedindo-nos de viver e de gozar a vida. Rendemo-nos a essas imperfeições, assumimos responsabilidade por elas, e procurámos a direcção e o poder de que precisamos para viver de forma diferente. O nosso grupo-base tem-nos dado o calor pessoal e o apoio que nos ajudam a continuar a viver em recuperação. E, para completar isto tudo, temos o amor, o carinho e a orientação do Deus que viemos a conceber em NA. No decurso da recuperação no dia-a-dia, esquecemo-nos por vezes de quanto as nossas vidas mudaram em Narcóticos Anónimos. Será que apreciamos plenamente aquilo que o nosso programa nos tem dado? 

Só por hoje: A recuperação tem-me dado liberdade. Vou acolher o dia com esperança, grato por tudo hoje ser possível.

quinta-feira, 30 de agosto de 2012

Meditação do Dia QUINTA, 30 DE AGOSTO DE 2012


Meditação do Dia

QUINTA, 30 DE AGOSTO DE 2012


Fazer bem, sentir bem 
"Examinamos as nossas acções, reacções e motivos. Por vezes descobrimos que temos estado a fazer melhor do que nos temos sentido." Texto Básico, p. 49 
A forma como tratamos os outros costuma revelar a forma como nos sentimos. Quando estamos em paz, é mais provável que tratemos os outros com respeito e compaixão. Contudo, quando não nos sentimos bem, é provável que respondamos aos outros com intolerância e impaciência. Quando fazemos um inventário regular, vamos provavelmente notar um padrão: tratamos mal os outros quando nos sentimos mal connosco próprios. Aquilo que, todavia, poderá não ser revelado num inventário é a outra face da moeda: quando tratamos bem os outros, sentimo-nos bem connosco próprios. Quando acrescentamos esta verdade positiva aos factos negativos que vamos descobrindo no nosso inventário, começamos a comportarmo-nos de forma diferente. Quando nos sentimos mal, podemos parar e rezar por orientação e força. Depois, tomamos uma decisão de tratar aqueles à nossa volta com carinho, gentileza, e a mesma preocupação que gostaríamos que nos fosse demonstrada. Uma decisão de se ser amável pode alimentar e manter a alegria e a paz de espírito que todos desejamos. E a alegria que inspiramos pode levantar os espíritos daqueles à nossa volta, por sua vez alimentando o nosso próprio bem-estar espiritual. 

Só por hoje: Vou lembrar-me de que se mudar as minhas acções, os meus pensamentos segui-las-ão.

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Meditação do Dia QUARTA, 29 DE AGOSTO DE 2012



Meditação do Dia

QUARTA, 29 DE AGOSTO DE 2012


Não olhes para trás 
Os passos permitem "que saiamos da nossa antiga vida, dominada por sentimentos de culpa e pelo remorso. É o nosso futuro que se transforma, pois não precisamos de continuar a evitar aqueles que prejudicámos. Como resultado ... recebemos uma nova liberdade que pode pôr um fim ao nosso isolamento." Texto Básico, p. 45
Muitos de nós chegam a Narcóticos Anónimos cheios de remorsos sobre o passado. Os nossos passos ajudam-nos a começar a resolver esses remorsos. Examinamos as nossas vidas, admitimos os nossos erros, fazemos reparações por eles, e tentamos sinceramente modificar o nosso comportamento. Ao fazermos isso, encontramos um sentido mais feliz da liberdade. Não precisamos mais de negar ou de ter remorsos do passado. Uma vez feitas as nossas reparações, aquilo que está feito, está feito. A partir daí, aquilo que fizemos deixa de ser a coisa mais importante sobre nós. O que conta é para onde vamos. Em NA, começamos a olhar para a frente. É verdade que vivemos e mantemo-nos limpos só por hoje. Mas descobrimos que podemos começar a colocar objectivos, a alimentar sonhos, a ansiar as alegrias que uma vida em recuperação tem para dar. Olhar em frente mantém-nos centrados nos nossos objectivos, sem remorsos quanto ao passado. Apesar de tudo, é difícil seguir-se em frente se estivermos a olhar para trás.

Só por hoje: Os passos libertaram-me dos remorsos do meu passado. Hoje olho em frente para a minha nova vida em recuperação.

terça-feira, 28 de agosto de 2012

Meditação do Dia TERÇA, 28 DE AGOSTO DE 2012




Meditação do Dia

TERÇA, 28 DE AGOSTO DE 2012


Expostos à luz 
"Estes defeitos crescem no escuro e morrem quando são expostos." Texto Básico, p. 37 
O Quinto Passo pede-nos que partilhemos a nossa verdadeira natureza com Deus, connosco próprios, e com um outro ser humano. Não nos encoraja a contar a toda a gente cada pequeno segredo nosso. Não nos pede que contemos ao mundo inteiro cada pensamento vergonhoso ou aterrador que tenhamos tido. O Quinto Passo sugere apenas que os nossos segredos prejudicam-nos mais se os guardarmos, do que se os revelarmos a alguém. Se cedermos à nossa relutância em revelar a nossa verdadeira natureza a um só ser humano que seja, o lado secreto das nossas vidas tomar-se-á mais poderoso. E quando são os segredos a controlar-nos, eles criam uma separação entre nós próprios, 0 nosso Poder Superior, e as coisas que mais prezamos na nossa recuperação. Quando partilhamos em confiança o nosso lado secreto com pelo menos um ser humano - talvez o nosso padrinho ou madrinha, ou um amigo chegado - essa pessoa não irá decerto rejeitar-nos. Abrimo-nos com outra pessoa e somos recompensados com a sua aceitação. Quando isso acontece, compreendemos que uma partilha honesta não pode ameaçar as nossas vidas; os segredos perderam o seu poder sobre nós. 

Só por hoje: Posso desarmar os segredos na minha vida ao partilhá-los com um outro ser humano.

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Meditação do Dia SEGUNDA, 27 DE AGOSTO DE 2012




Meditação do Dia

SEGUNDA, 27 DE AGOSTO DE 2012


Escolher a vida 
"Tomou-se necessária uma mudança dos padrões de vida autodestrutivos." Texto Básico, p. 17 
A adicção activa é um desejo de morte que vai queimando lentamente. Cada um nós brincava com a morte de cada vez que usava. O nosso modo de vida também nos colocava em risco. A vida de um adicto é vendida ao desbarato, cada dia, com cada dose. Em recuperação, o primeiro padrão que mudamos é o padrão do uso. Mantermo-nos limpos constitui o ponto de partida para a nossa caminhada em direcção à vida. Mas o nosso comportamento autodestrutivo costumava ir mais fundo do que apenas o nosso uso. Mesmo em recuperação podemos continuar a tratar-nos como se nada valêssemos. Quando nos tratamos mal, sentimo-nos mal. E quando nos sentimos mal, procuramos alívio - talvez até na nossa velha solução, as drogas. Escolher a recuperação significa escolher a vida. Cada dia decidimos que queremos viver e ser livres. Cada vez que evitamos um comportamento autodestrutivo, estamos a escolher a recuperação. 

Só por hoje: Vou escolher a vida ao escolher a recuperação. Vou tomar conta de mim próprio.

sexta-feira, 24 de agosto de 2012

Meditação do Dia SEXTA, 24 DE AGOSTO DE 2012


Meditação do Dia

SEXTA, 24 DE AGOSTO DE 2012


Procurar a vontade de Deus 
"Aprendemos a não rezar por coisas específicas." Texto Básico, p. 53 
Na nossa adicção activa, não costumávamos rezar pelo conhecimento da vontade de Deus para nós e pelas forças para realizá-la. Pelo contrário, a maior parte das nossas orações eram para que Deus nos tirasse dos problemas em que nos havíamos metido. Julgávamos que os milagres iam acontecer a nosso pedido. Esse tipo de pensamento e essa forma de rezar mudam quando começamos a praticar o 11º Passo. A única saída para os problemas que nós próprios criámos é rendermo-nos a um Poder superior a nós mesmos. Em recuperação aprendemos a aceitar. Através das nossas orações e meditações, procuramos o conhecimento da forma como deveremos lidar com as circunstâncias das nossas vidas. Paramos de lutar, largamos as nossas próprias ideias sobre como as coisas deverão passar-se, pedimos conhecimento, e escutamos as respostas. Estas não costumam vir como um raio de luz acompanhadas por um rufar de tambores. As respostas, quando surgem, são acompanhadas de uma sensação tranquila de segurança, de certeza de que as nossas vidas estão na boa direcção, de que um Poder superior a nós mesmos está a guiar-nos no nosso caminho. Temos uma escolha. Podemos passar o nosso tempo todo a lutar para que as coisas corram como queremos, ou podemos render-nos à vontade de Deus. A paz pode ser encontrada na aceitação dos altos e baixos da vida. 

Só por hoje: Vou largar as minhas expectativas, procurar a orientação do meu Poder Superior, e aceitar a vida.

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

Meditação do Dia QUINTA, 23 DE AGOSTO DE 2012



Meditação do Dia

QUINTA, 23 DE AGOSTO DE 2012


Tomada de decisões 
"Antes de deixarmos as drogas, quase todas as nossas acções eram guiadas por impulsos. Hoje, não estamos presos a este tipo de pensamento." Texto Básico, pp. 101-102 
A vida é constituída por uma série de decisões, acções, e consequências. Quando usávamos, as nossas decisões eram geralmente guiadas pela nossa doença resultando em acções autodestrutivas com consequências graves. Isso levou-nos a considerar as tomadas de decisão como um jogo viciado, que deveríamos evitar o mais possível. Muitos de nós têm, por isso, grande dificuldade de aprender a tomar decisões em recuperação. Lentamente, ao trabalharmos os Doze Passos, ganhamos prática na tomada de decisões saudáveis, que dêem resultados positivos. Onde antes a nossa doença afectava a nossa vontade e as nossas vidas, pedimos agora ao nosso Poder Superior que cuide de nós. Fazemos um inventário dos nossos valores e das nossas acções, partilhamos isso com alguém em quem confiemos, e pedimos ao Deus da nossa concepção que remova as nossas limitações. Ao praticarmos os passos ficamos libertos da influência da nossa doença, e aprendemos princípios, de tomada de decisões, que poderão guiar-nos em todas as áreas das nossas vidas. Hoje, as nossas decisões e as suas consequências não precisam de ser influenciadas pela nossa doença. A nossa fé dá-nos a coragem e a direcção para tomarmos boas decisões e a força para as pormos em prática. O resultado desse tipo de tomada de decisão está numa vida que vale a pena ser vivida. 

Só por hoje: Vou utilizar os princípios dos Doze Passos para tomar decisões saudáveis. Vou pedir ao meu Poder Superior a força para pôr em prática essas decisões.

quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Meditação do Dia QUARTA, 22 DE AGOSTO DE 2012



Meditação do Dia

QUARTA, 22 DE AGOSTO DE 2012


Contribuir 
"Reconhecemos o nosso crescimento espiritual quando somos capazes de contactar e ajudar outros ..." Texto Básico, p. 66 
Fazer uma diferença neste mundo, contribuir com algo de especial, constitui talvez a mais elevada aspiração do coração humano. Cada um de nós, qualquer que seja a sua formação pessoal, tem uma qualidade única para dar. Provavelmente, em determinado momento da nossa recuperação encontrámos alguém que nos ajudou quando mais ninguém podia. Fazê-lo quer tenha sido alguém que nos tenha feito rir na nossa primeira reunião, ou um padrinho ou madrinha cheio de amizade e compaixão, ou um amigo que nos compreendeu e nos apoiou através de uma tempestade emocional, essa pessoa fez toda a diferença do mundo. Todos nós temos tido a dádiva da recuperação partilhada connosco por um outro adicto em recuperação. Estamos gratos por isso. Expressamos a nossa gratidão ao partilharmos livremente com outros aquilo que nos foi dado a nós. A mensagem individual que transmitimos poderá ajudar um recém-chegado a quem apenas nós poderemos chegar. Existem muitas formas de servir a nossa irmandade. Cada um de nós verá que há certas coisas que fazemos melhor do que outras, embora todo o serviço seja igualmente importante. Se estivermos dispostos a servir, iremos certamente encontrar a forma de servir que melhor se adapta a nós. 

Só por hoje: A minha contribuição faz uma diferença. Hoje vou dar a minha ajuda.

terça-feira, 21 de agosto de 2012

Meditação do Dia TERÇA, 21 DE AGOSTO DE 2012



Meditação do Dia

TERÇA, 21 DE AGOSTO DE 2012


Amizades 
"As nossas amizades tomam-se profundas e nós sentimos o calor e o carinho que resultam de adictos partilharem recuperação e um novo modo de vida." IP nº 19, A auto-aceitação 
A maioria de nós chega a Narcóticos Anónimos com poucos amigos de verdade. E a maioria chega sem a menor ideia do que custa construir amizades duradouras. Com o tempo, todavia, aprendemos que as amizades exigem trabalho. Há sempre momentos em que as amizades constituem um desafio. Como qualquer relação, a amizade constitui um processo de aprendizagem. Os nossos amigos amam-nos o suficiente para nos dizerem a verdade acerca de nós próprios. O velho ditado, "A verdade irá libertar-te, mas primeiro irá pôr-te furioso", parece aplicar-se particularmente às amizades. Isso pode complicar uma amizade. Podemos começar a evitar certas reuniões em vez de enfrentar- mos os nossos amigos. Mas descobrimos que eles dizem-nos determinadas coisas porque se preocupam connosco. Querem o melhor para nós. Os nossos amigos aceitam-nos apesar das nossas limitações. Compreendem que somos ainda um trabalho em progressão. Os amigos estão lá para nós quando nós próprios não estamos. Os amigos ajudam-nos a obter uma perspectiva importante dos acontecimentos nas nossas vidas e na nossa recuperação. É importante que cultivemos activamente as amizades, pois já aprendemos que não conseguimos recuperar sozinhos. 

Só por hoje: Vou estar grato pelos amigos que tenho. Vou tomar parte activa nas minhas amizades.

segunda-feira, 20 de agosto de 2012

Meditação do Dia SEGUNDA, 20 DE AGOSTO DE 2012




Meditação do Dia

SEGUNDA, 20 DE AGOSTO DE 2012


Enfrentar a morte 
"Por vezes temos de encarar uma qualquer crise na nossa recuperação, tal como a morte de alguém que gostávamos ..." Texto Básico, p. 113 
As nossas vidas têm um princípio e um fim. Todavia, quando alguém de quem gostamos muito chega ao fim da sua vida, poderemos sentir uma grande dificuldade em aceitar a sua falta súbita e permanente. A nossa dor poderá ser tão poderosa que receamos que ela seja demais para nós - mas não será assim. A nossa mágoa poderá doer mais do que qualquer outra coisa, mas irá passar. Não precisamos de fugir das emoções que possam surgir com a morte de alguém querido. A morte, e a dor ligada a ela, são parte de um todo, que é viver "a vida tal como ela é". Ao nos permitirmos a liberdade de experimentar estes sentimentos, usufruímos mais profundamente tanto da recuperação como da nossa natureza humana. Por vezes a realidade da morte de outra pessoa torna a nossa própria mortalidade muito mais pronunciada. Reavaliamos as nossas prioridades, apreciando ainda mais a companhia daqueles que amamos. A nossa vida, e a nossa vida com eles, não irá durar para sempre. Queremos aproveitar ao máximo aquilo que é mais importante, enquanto durar. Poderemos descobrir que a morte de alguém que nos é querido ajudará a reforçar o nosso contacto consciente com o nosso Poder Superior. Se nos lembrarmos de que podemos virar-nos para essa fonte de força sempre que enfrentemos dificuldades, manter-nos-emos concentrados nela não importa aquilo que se passe à nossa volta. 

Só por hoje: Vou aceitar a perda de alguém que me seja querido e virar-me para o meu Poder Superior em busca da força para aceitar os meus sentimentos. Vou aproveitar ao máximo o meu amor por aqueles que estão hoje na minha vida.

sexta-feira, 17 de agosto de 2012

Meditação do Dia SEXTA, 17 DE AGOSTO DE 2012




Meditação do Dia

SEXTA, 17 DE AGOSTO DE 2012


Dizer a verdade 
"Um sintoma da nossa doença é a alienação, e a partilha honesta irá libertar-nos para recuperar." Texto Básico, p. 94 
A verdade liga-nos à vida, enquanto o medo, o isolamento e a desonestidade nos afastam dela. Quando usávamos, escondíamos dos outros tudo aquilo que pudéssemos sobre nós prÓprios. O nosso medo impedia-nos de nos abrirmos àqueles que nos rodeavam, protegendo-nos daquilo que julgávamos que os outros nos fariam se fossemos vulneráveis. Mas o nosso medo também nos impedia de nos ligarmos ao mundo. Vivíamos como estranhos no nosso próprio planeta, sempre sozinhos e cada vez mais sós à medida que o tempo passava. Os Doze Passos e a irmandade de adictos em recuperação oferecem a pessoas como nós um lugar onde podemos sentir- -nos seguros dizendo a verdade acerca de nós próprios. Somos capazes de admitir honestamente a nossa impotência perante a adicção, com as suas frustrações e humilhações, pois encontramos muitos outros que já estiveram na mesma situação - sentimo-nos seguros entre eles. E continuamos a partilhar mais da verdade sobre nós mesmos à medida que praticamos os passos. Quanto mais coisas fizermos, mais ligados nos sentiremos ao mundo à nossa volta. Hoje não precisamos de nos esconder da realidade das nossas relações com as pessoas, os lugares e as coisas nas nossas vidas. Aceitamos essas relações tal como elas são, e assumimos o nosso papel nelas. Cada dia perguntamos, "Estarei a dizer a verdade acerca de mim próprio?" Cada vez que assim fizermos, estamos a evitar o afastamento que caracteriza a nossa adicção, e aproximamo-nos um pouco mais da liberdade que a recuperação pode oferecer-nos. 

Só por hoje: A verdade é a minha ligação à realidade. Hoje vou perguntar a mim próprio, "Estarei a dizer a verdade?"