terça-feira, 31 de julho de 2012

Meditação do Dia TERÇA, 31 DE JULHO DE 2012




Meditação do Dia

TERÇA, 31 DE JULHO DE 2012


Libertação da adicção activa 
"Narcóticos Anónimos apenas promete uma coisa, e essa é a libertação da adicção activa, a solução que nos escapou durante tanto tempo." Texto Básico, p. 118 
NA não oferece qualquer promessa senão a da libertação da adicção activa. É verdade que alguns dos nossos membros alcançam sucessos financeiros em recuperação. Compram belas casas, conduzem carros novos, vestem boas roupas, e formam famílias maravilhosas. Estes sinais exteriores de prosperidade não são, contudo, comuns a todos os nossos membros. Um grande número de nós nunca consegue alcançar o sucesso financeiro. Isso não reflecte, necessariamente, a qualidade da nossa recuperação. Quando nos sentirmos tentados a comparar-nos com esses outros membros, aparentemente mais prósperos, será bom lembrarmo-nos do motivo porque chegámos às salas de Narcóticos Anónimos. Chegámos aqui porque as nossas vidas haviam ruído à nossa volta. Sentíamo-nos derrotados física, emocional e espiritualmente. O nosso Texto Básico recorda-nos que "em desespero, procurámos ajuda em Narcóticos Anónimos". Chegámos porque havíamos sido vencidos. Para adictos, basta um dia limpo para haver um milagre. Quando nos lembramos dos motivos que nos trouxeram a Narcóticos Anónimos e o estado em que chegámos, compreendemos que a riqueza material perde em comparação com as riquezas espirituais que obtivemos em recuperação. 

Só por hoje: Foi-me dado um dom espiritual maior do que a riqueza material: a minha recuperação. Vou agradecer ao Deus da minha concepção pela minha libertação da adicção activa.

segunda-feira, 30 de julho de 2012

Meditação do Dia SEGUNDA, 30 DE JULHO DE 2012




Meditação do Dia

SEGUNDA, 30 DE JULHO DE 2012


Inventário regular 
"Continuarmos a fazer um inventário pessoal significa formarmos um hábito de olhar regularmente para nós mesmos, as nossas acções, atitudes e relações." II Texto Básico, p. 48 
Fazer um inventário regular constitui um elemento-chave no nosso novo padrão de vida. Na nossa adicção olhávamos o menos possível para nós mesmos. Não nos sentíamos felizes com a forma como vivíamos as nossas vidas, mas não achávamos que podíamos mudá-la. Um auto-exame seria, na nossa opinião, um doloroso exercício de futilidade. Hoje, tudo isso está a mudar. Onde antes éramos impotentes perante a nossa adicção, encontrámos um Poder superior a nós mesmos que nos ajudou a parar de usar. Onde antes nos sentíamos perdidos, encontrámos orientação na experiência dos nossos companheiros em recuperação e no contacto crescente com o nosso Poder Superior. Não precisamos de sentir-nos prisioneiros dos nossos velhos padrões destrutivos. Temos a escolha de poder viver de forma diferente. Ao estabelecermos um padrão regular para fazermos o nosso próprio inventário, damos a nós próprios a oportunidade de mudar tudo aquilo que nas nossas vidas esteja mal. Se tivermos começado a fazer algo que cause problemas, podemos começar a modificar o nosso comportamento antes que isso fique fora de controlo. E se estivermos a fazer algo que evite que aconteçam problemas, podemos também tomar nota disso e encorajar-nos a nós próprios a continuar a fazer aquilo que resulta. 

Só por hoje: Vou comprometer-me a incluir um inventário regular no meu novo padrão de vida.

sexta-feira, 27 de julho de 2012

DESCULPAS POR ONTEM

ONTEM NÃO TIVE COMO POSTAR MAIS HJ ESTOU AQUI.




Meditação do Dia

SEXTA, 27 DE JULHO DE 2012


É possível recuperar 
"Depois de chegarmos a NA, vimo-nos no meio de um grupo muito especial de pessoas que sofreram como nós e encontraram a recuperação. Nas suas experiências, livremente partilhadas, encontrámos esperança para nós mesmos. Se o programa resultou para elas, também poderia resultar para nós." Texto Básico, p. 11 
Um recém-chegado entra na sua primeira reunião, confuso e perdido. Há pessoas a toda à volta. Preparam-se refrescos e expõe-se literatura. A reunião começa depois de todos se dirigirem para os seus lugares e se sentarem. Depois de olhar espantado para a variedade de pessoas na sala, o recém-chegado interroga-se, "Porque é que hei-de apostar a minha vida neste grupo? Eles afinal não passam de adictos como eu." Embora possa ser verdade que não havia muitos de nós que tivessem onde cair mortos antes de aqui chegarem, o recém-chegado depressa aprende que o que conta é a forma como vivemos hoje. As nossas reuniões estão cheias de adictos cujas vidas se modificaram completamente. Contra todas as expectativas, estamos a recuperar. O recém-chegado pode identificar-se com o nosso passado e retirar esperança da nossa vida hoje. Hoje, cada um de nós tem a oportunidade de recuperar. Sim, podemos confiar, com segurança, as nossas vidas ao nosso Poder Superior e a Narcóticos Anónimos. Enquanto praticarmos o programa, os resultados são certos: a libertação da adicção activa e um melhor modo de vida. 

Só por hoje: A recuperação que encontrei em Narcóticos Anónimos é certa. Ao basear a minha vida nela, sei que vou crescer.

quarta-feira, 25 de julho de 2012

Meditação do Dia QUARTA, 25 DE JULHO DE 2012



Meditação do Dia

QUARTA, 25 DE JULHO DE 2012


Um 12º Passo "falhado"? 
"Tendo experimentado um despertar espiritual graças a estes passos, procurámos transmitir esta mensagem a outros adictos e praticar estes princípios em todas as nossas actividades." Décimo Segundo Passo 
Não existe um 12º Passo "falhado". Mesmo que a pessoa com quem falámos não fique limpa, alcançámos dois objectivos: plantámos a semente da recuperação na mente de um adicto, com quem partilhámos a nossa experiência, força e esperança; e nós próprios mantivemo-nos limpos mais um dia. É raro um adicto em recuperação deixar um 12º Passo sem sentir uma profunda gratidão. Por vezes praticamos o 12º Passo sem nos apercebermos disso. Quando os nossos colegas de trabalho, ou outras amizades, conhecem um pouco da nossa história e vêem o tipo de pessoa que somos hoje, eles saberão onde ir quando tiverem um amigo ou familiar a precisar de ajuda. Nós somos por vezes a melhor atracção que NA tem para dar. Para muitos adictos o 12º Passo é a pedra-de-toque da recuperação. Acreditamos verdadeiramente que "só podemos conservar aquilo que temos se o partilharmos". O paradoxo do 12º Passo é evidente, pois é dando que recebemos. 

Só por hoje: Vou lembrar-me de que sou um exemplo vivo do 12º Passo. Não é possível "falhar" quando tento transmitir a mensagem a um outro adicto.

terça-feira, 24 de julho de 2012

Meditação do Dia TERÇA, 24 DE JULHO DE 2012




Meditação do Dia

TERÇA, 24 DE JULHO DE 2012


As máscaras têm de desaparecer 
"...cobrimos a nossa baixa auto-estima escondendo-nos atrás de imagens falsas que esperávamos conseguissem enganar as pessoas. ...As máscaras têm de desaparecer." Texto Básico, p. 38 
A hipersensibilidade, a insegurança e a falta de identidade, estão por vezes associadas à adicção activa. Muitos de nós trazem isto connosco em recuperação; os nossos receios de inadequação, de rejeição e de falta de direcção, não desaparecem de um dia para o outro. Muitos de nós têm imagens, personalidades falsas que construiram quer para se protegerem, quer para agradar a outros. Alguns de nós usam máscaras pois não estão certos de quem são. Por vezes julgamos que essas máscaras, construídas para nos protegerem quando usávamos, poderão também proteger-nos na recuperação. Usamos imagens falsas para esconder a nossa verdadeira personalidade, para disfarçar a nossa falta de auto-estima. Essas máscaras escondem-nos dos outros e também de quem verdadeiramente somos. Ao vivermos uma mentira, estamos a dizer que não conseguimos viver a verdade acerca de nós próprios. Quanto mais escondermos quem verdadeiramente somos, mais prejudicaremos a nossa auto-estima. Um dos milagres da recuperação é o reconhecimento de nós próprios, tanto das qualidades como dos defeitos. A auto-estima começa com este reconhecimento. Apesar do nosso receio de nos tornarmos vulneráveis, precisamos de boa-vontade para abandonarmos os nossos disfarces. Precisamos de nos libertar das nossas máscaras e de nos sentir livres para confiarmos em nós próprios. 

Só por hoje: Vou abandonar as minhas máscaras e deixar que a minha auto-estima cresça.

segunda-feira, 23 de julho de 2012

Meditação do Dia SEGUNDA, 23 DE JULHO DE 2012



Meditação do Dia

SEGUNDA, 23 DE JULHO DE 2012


Entregar a vontade própria 
"Queremos e exigimos que as coisas corram sempre à nossa maneira. Deveríamos saber, pela nossa experiência passada, que a nossa maneira de fazer as coisas não resultou." Texto Básico, p. 104 
Todos nós temos ideias, planos, objectivos, para as nossas vidas. Não há nada no programa de NA que diga que não devemos pensar por nós próprios, tomar iniciativas, e pôr em prática planos responsáveis. É quando deixamos as nossas vidas serem controladas pela vontade própria que começamos a ter problemas. Quando vivemos a nossa vontade, vamos além de pensar por nós próprios, para pensarmos apenas em nós próprios. Esquecemo-nos de que somos apenas uma parte do mundo e de que, qualquer força pessoal que tenhamos, é-nos dada por um Poder Superior. Podemos até ir ao ponto de imaginar que as outras pessoas existem unicamente para servir-nos. Depressa nos vemos em conflito com tudo e todos à nossa volta. Nessa altura temos duas escolhas: podemos continuar escravizados pela vontade própria, fazendo exigências loucas e acumulando frustrações por o planeta não girar como queríamos; ou podemos render-nos, relaxar, procurar o conhecimento da vontade de Deus e as forças para realizá-la, e reconciliarmo-nos com o mundo. Pensar, tomar iniciativas, fazer planos responsáveis - não há nada de errado nisso, desde que sirvam a vontade de Deus, e não apenas a nossa. 

Só por hoje: Vou planear seguir a vontade de Deus, e não a minha. Se me vir em conflito com tudo à minha volta, entregarei a minha vontade própria.

sexta-feira, 20 de julho de 2012

Meditação do Dia SEXTA, 20 DE JULHO DE 2012



Meditação do Dia

SEXTA, 20 DE JULHO DE 2012


Primeiro Passo 
"Admitimos que éramos impotentes perante a nossa adicção, que tínhamos perdido o domínio sobre as nossas vidas." Primeiro Passo 
O Primeiro Passo pressupõe a palavra "nós" e há uma razão para isso. Há uma enorme força na admissão verbal da nossa impotência. E quando vamos a reuniões e fazemos esta admissão, obtemos mais do que força pessoal. Tomamo-nos membros, parte de um "nós" colectivo que nos permite, juntos, recuperar da nossa adicção. O facto de pertencermos a NA traz-nos uma riqueza de experiência: a experiência de outros adictos que encontraram uma forma de recuperar da sua adicção. Não precisamos mais de tentar resolver sozinhos o quebra-cabeças da nossa adicção. Quando admitimos honestamente a nossa impotência perante a nossa adicção, podemos começar a procurar um novo modo de vida. Não iremos procurar sozinhos - estamos em boa companhia. 

Só por hoje: Vou começar o dia com a admissão da minha impotência perante a adicção. Vou recordar-me de que o Primeiro Passo pressupõe a palavra "nós", sabendo que nunca mais precisarei de ficar sozinho com a minha doença.

quinta-feira, 19 de julho de 2012

Meditação do Dia QUINTA, 19 DE JULHO DE 2012


Meditação do Dia

QUINTA, 19 DE JULHO DE 2012


Realizar os nossos sonhos 
"Os sonhos que há muito abandonámos podem agora tornar-se realidade." Texto Básico, p. 80 
Tudo começa com um sonho. Mas quantos de nós realizaram os seus sonhos quando usavam? Mesmo que conseguíssemos completar algo que tivéssemos começado, anossa adicção acabava por tirar-nos todo o orgulho pelo nosso sucesso. É possível que quando usávamos sonhássemos vir um dia a estar limpos. Esse dia chegou. Podemos aproveitá-lo para realizarmos os nossos sonhos. Para realizarmos os nossos sonhos temos de agir, mas a nossa falta de confiança poderá impedir-nos de tentar. Podemos começar por fixar metas realistas. O sucesso que experimentamos quando alcançamos as nossas metas iniciais permite-nos alimentar sonhos maiores da vez seguinte. Alguns dos nossos membros contam que, quando comparam as ambições que tinham quando entraram em recuperação com aquilo que de facto vieram a alcançar, ficam boquiabertos. Em recuperação são geralmente mais os sonhos que se tomam realidade do que aqueles que alguma vez imaginámos. 

Só por hoje: Vou lembrar-me de que tudo começa com um sonho. Hoje vou permitir-me realizar os meus sonhos.

DESEJA RECEBER AS MEDITAÇÕES DIÁRIAMENTE NO SEU EMAIL?

quarta-feira, 18 de julho de 2012

Meditação do Dia QUARTA, 18 DE JULHO DE 2012




Meditação do Dia

QUARTA, 18 DE JULHO DE 2012


A dádiva do desespero 
"A nossa doença voltava sempre à superfície ou continuava a progredir até que, em desespero, procurámos ajuda em Narcóticos Anónimos." Texto Básico, p. 15 
Quando pensamos em desespero, vemos uma situação indesejável: uma pobre alma, de roupas sujas, a agarrar-se furiosa a algo que anseia profundamente, um ar de desespero no seu olhar. Pensamos em animais perseguidos, em crianças com fome e em nós próprios antes de encontrarmos NA. Contudo, foi o desespero que sentimos antes de chegarmos a NA que nos forçou a aceitar o Primeiro Passo. As nossas ideias haviam-se esgotado, e ficámos, por isso, abertos a novas. A nossa insanidade havia finalmente submergido o nosso muro de negação, obrigando-nos a ser honestos quanto à nossa doença. Os nossos melhores esforços para controlar haviam-nos cansado; ficámos, por isso, dispostos a render-nos. Havíamos recebido a dádiva do desespero e, como resultado, pudemos aceitar os princípios espirituais que nos permitem recuperar. O desespero é aquilo que leva, por fim, muitos de nós a pedir ajuda. Uma vez chegados a esse ponto, podemos dar meia volta e começar de novo. Tal como o animal desesperado e perseguido procura um abrigo seguro, nós também procuramos um: em Narcóticos Anónimos. 

Só por hoje: A dádiva do desespero tem-me ajudado a tornar-me honesto, com uma mente aberta e boa-vontade. Sinto-me grato por essa dádiva, pois tornou a minha recuperação possível.

terça-feira, 17 de julho de 2012

Meditação do Dia TERÇA, 17 DE JULHO DE 2012



Meditação do Dia

TERÇA, 17 DE JULHO DE 2012


Usar os nossos "sonhos de uso" 
"Aceitamos inteiramente o facto de terem falhado todas as nossas tentativas para parar de usar ou para controlar o nosso uso?" Texto Básico, p. 22 
O quarto está escuro. A tua testa está a transpirar. O teu coração bate com força. Abres os olhos, certo de que acabas de deitar por terra o teu tempo limpo. Tiveste um "sonho de uso" e foi como se estivesses lá - as pessoas, os sítios, a rotina, o mal-estar no estômago, tudo. São apenas alguns momentos até te aperceberes de que foi apenas um pesadelo, que nada daquilo aconteceu. A pouco e pouco acalmas e voltas a adormecer. Na manhã seguinte deverás examinar aquilo que de facto aconteceu durante a noite. Não chegaste a usar - mas quão perto estás de usar hoje? Tens algumas ilusões acerca da tua capacidade de controlares o teu uso? Tens alguma dúvida quanto àquilo que te aconteceria se tomasses a primeira droga? O que é que te impedirá uma recaída verdadeira? Qual é a força do teu programa? E as tuas relações com o teu padrinho ou madrinha, com o teu grupo-base, e com o teu Poder Superior? Os sonhos de uso não indicam necessariamente uma deficiência no nosso programa; para um adicto não há nada mais natural do que sonhar com drogas. Alguns de nós vêem os sonhos de uso como dádivas do nosso Poder Superior, lembrando-nos vivamente a insanidade da adicção activa e encorajando-nos a fortalecer a nossa recuperação. Visto assim, podemos sentir-nos gratos pelos sonhos de uso. Por muito assustadores que sejam, eles podem tornar-se uma grande benção se os utilizarmos para reforçar a nossa recuperação.

Só por hoje: Vou examinar o meu programa pessoal. Vou falar com o meu padrinho ou madrinha sobre aquilo que encontrar, e descobrir formas de fortalecer a minha recuperação.

segunda-feira, 16 de julho de 2012

Meditação do Dia SEGUNDA, 16 DE JULHO DE 2012



Meditação do Dia

SEGUNDA, 16 DE JULHO DE 2012


Auto-estima 
"Bem dentro de mim, eu sentia-me inadequado e inferior." Texto Básico, p. 112 (livro 2) 
Muitos de nós acabaram por desenvolver fortes sentimentos de inadequação e de inferioridade. Bem dentro de nós havia uma voz que gritava continuamente. "Não vales nada!" Muitos de nós aprendem a reconhecer esta característica de baixa auto-estima muito cedo em recuperação. Alguns de nós poderão achar que os nossos sentimentos de inferioridade estavam na origem de todos os nossos problemas. Quer tenhamos aprendido esta baixa auto-estima nas nossas famílias, ou através das nossas interacções com outros, aprendemos em NA os instrumentos para nos reencontrarmos. Reconstruirmos a nossa auto-estima despedaçada começa por vezes pela simples aceitação de um cargo de serviço. Ou talvez o nosso telefone comece a tocar e, pela primeira vez, haja alguém a querer simplesmente saber como estamos. As pessoas não querem mais nada de nós, senão ajudar. Em seguida arranjamos um padrinho ou madrinha, alguém que nos ensina que temos valor e que acredita em nós antes de nós podermos acreditar em nós próprios. O nosso padrinho ou madrinha guia-nos através dos Doze Passos, onde aprendemos sobre quem realmente somos, e não sobre aquilo que fantasiámos ser. Uma baixa auto-estima não desaparece de um dia para o outro. Por vezes levamos anos a entrar realmente em contacto connosco próprios. Mas com a ajuda de outros membros de NA que partilham os mesmos sentimentos que nós, e através da prática dos Doze Passos, transformamo-nos em indivíduos que os outros respeitam e que, mais importante ainda, nós próprios respeitamos. 

Só por hoje: Vou lembrar-me de que mereço o amor do meu Poder Superior. Sei que sou um ser humano com valor.

quinta-feira, 12 de julho de 2012

Meditação do Dia QUINTA, 12 DE JULHO DE 2012



Meditação do Dia

QUINTA, 12 DE JULHO DE 2012


Paciência 
"Estávamos encurralados pela nossa necessidade de gratificação imediata que as drogas nos davam." Texto Básico, p. 29 
"Quero aquilo que quero, e quero-o já!" Este era o máximo de paciência que conseguíamos praticar na nossa adicção activa. A obsessão e a compulsão da nossa doença deram-nos uma forma limitada de pensar; quando queríamos algo, só pensávamos nisso. E as drogas que tomámos ensinaram-nos que a recompensa imediata estava sempre a uma dose de distância. Não admira que a maioria de nós tenha chegado a Narcóticos Anónimos sem paciência quase nenhuma. O problema é que nem sempre podemos ter aquilo que queremos quando o queremos. Alguns dos nossos desejos são pura fantasia; se pensarmos nisso, veremos que não há nenhuma razão para acreditarmos que serão realizados nas nossas vidas. Nós, se calhar, nem conseguimos realizar todos os nossos desejos realistas; decerto que não os realizaremos todos de uma vez. A fim de adquirirmos ou alcançarmos certas coisas, teremos de sacrificar outras. Na nossa adicção procurámos a gratificação imediata, esbanjando os nossos recursos. Em recuperação precisamos de aprender a ordenar as prioridades, por vezes negando a gratificação de alguns desejos a fim de realizarmos outros objectivos, a longo prazo mais importantes. Isso exigirá paciência. Para encontrarmos essa paciência praticamos o nosso programa de recuperação, procurando o tipo de pleno despertar espiritual que nos permitirá viver e gozar a vida tal como ela é.

Só por hoje: Poder Superior, ajuda-me a descobrir aquilo que é o mais importante na minha vida. Ajuda-me a aprender a ter paciência, para que possa dedicar os meus recursos a coisas mais importantes.

quarta-feira, 11 de julho de 2012

Meditação do Dia QUARTA, 11 DE JULHO DE 2012



Meditação do Dia

QUARTA, 11 DE JULHO DE 2012


Encorajamento 
"Partilhamos com os outros o bem-estar e o alento." Texto Básico. p. 110 
Muitos de nós têm visto como os bebés dão os seus primeiros passos. A mãe segura no bebé a seus pés. O pai ajoelha-se perto com os braços estendidos, encorajando o pequeno, o seu rosto inundado de devoção. O bebé dá alguns pequenos passos em direcção ao pai. Um irmão ou uma irmã mais velhos aplaudem. O bebé cai. A sua mãe, murmurando palavras de conforto, levanta-o e começa de novo. Desta vez o bebé mantém-se de pé até estar suficientemente perto para cair na segurança dos braços do pai. Como recém-chegados, chegamos às salas de NA um pouco como este bebé. Habituados a viver uma vida incapacitada pela adicção, cheios de medos e de incertezas, precisamos de ajuda para nos levantarmos. Tal como uma criança a iniciar a sua caminhada em direcção à maturidade, damos os nossos primeiros passos hesitantes em direcção à recuperação. Aprendemos a viver este novo modo de vida porque outros que o iniciaram antes de nós encorajam-nos e confortam-nos ao dizerem o que é que resultou - e o que é que não resultou - para eles. O nosso padrinho ou madrinha está lá para nós quando precisamos de um empurrão na direcção certa. Muitas vezes sentimo-nos como que incapazes de dar um outro passo em recuperação. Tal como um bebé a aprender a andar, por vezes tropeçamos ou caímos. Mas o nosso Poder Superior está sempre lá de braços estendidos. E tal como os irmãos da criança a incitam e aplaudem, também nós somos apoiados pelos outros membros de NA, à medida que avançamos em direcção a uma vida plena em recuperação. 

Só por hoje: Vou procurar o encorajamento de outros. Vou encorajar outros que possam necessitar da minha força.

Desculpem a demora

Deu problema em meu horário hj mais ai vai.

terça-feira, 10 de julho de 2012

Meditação do Dia TERÇA, 10 DE JULHO DE 2012



Meditação do Dia

TERÇA, 10 DE JULHO DE 2012


Uma atitude positiva 
"O velho ninho de pensamentos negativos seguia-me para onde quer que eu fosse." Basic Text, p. 135 
Uma atitude negativa é a marca registada da adicção activa. Tudo aquilo que ocorria nas nossas vidas era culpa de alguém ou de alguma coisa. Nós refinámos a ciência de culpar os outros pelas nossas imperfeições. Em recuperação, uma das primeiras coisas que nos esforçamos por desenvolver é uma nova atitude. Descobrimos que a vida torna-se muito mais fácil quando substituímos os nossos pensamentos negativos por princípios positivos. Dado que as atitudes negativas nos acompanharam na nossa adicção activa, é natural que elas nos sigam para as salas de Narcóticos Anónimos. Como é que podemos começar a ajustar as nossas atitudes? Modificando as nossas acções. Não é fácil, mas é possível. Podemos começar por escutar a forma como falamos. Antes de abrirmos a boca, respondemos às seguintes perguntas: aquilo que eu vou dizer aponta para o problema, ou antes para a solução? Irei dizê-lo de uma forma simpática? Será que o que eu tenho para dizer é importante, ou será que ninguém ficará a perder se eu me mantiver calado? Vou falar só para ouvir a minha voz, ou haverá algum propósito nas minhas "palavras de sabedoria"? As nossas atitudes são reflectidas nas nossas acções. Por vezes aquilo que conta não é o que dizemos, mas a forma como o dizemos. À medida que aprendemos a falar de uma forma mais positiva, iremos notar que as nossas atitudes também melhoram. 

Só por hoje: Quero livrar-me do negativismo. Hoje vou falar e agir de forma positiva.

segunda-feira, 9 de julho de 2012

Meditação do Dia SEGUNDA, 09 DE JULHO DE 2012




Meditação do Dia

SEGUNDA, 09 DE JULHO DE 2012


É possível recuperar! 
"A velha mentira, 'Uma vez drogado, drogado sempre', não será mais tolerada, nem pela sociedade, nem pelo adicto. É possível recuperar." Texto Básico, p. 100 
De tempos a tempos ouvimos pessoas partilharem que, na realidade, não compreendem ainda princípios espirituais. Dizem-nos que se soubéssemos o que lhes vai no pensamento, ficaríamos surpreendidos com tanta insanidade. Dizem-nos que quanto mais tempo estão limpas, menos sabem sobre tudo. Mas, ao mesmo tempo, estas pessoas falam-nos das profundas mudanças que a recuperação operou nas suas vidas. Passaram do desespero completo para uma esperança inesgotável, do uso descontrolado de drogas para a abstinência total, do desgoverno crónico para uma atitude de responsabilidade através da prática dos Doze Passos de Narcóticos Anónimos. Qual das histórias é a verdadeira? Afinal recuperamos, ou não? Poderemos achar que é uma demonstração de humildade ou de gratidão não darmos a devida importância às mudanças que a recuperação trouxe às nossas vidas. É verdade que estaríamos a ser injustos para com o programa se assumíssemos a responsabilidade por esse milagre. Mas seria igualmente injusto - para nós próprios e para aqueles com quem o partilhamos - não reconhecermos a grandeza deste milagre. É possível recuperar. Se tivermos dificuldade em ver o milagre da recuperação, talvez seja melhor olharmos de novo. A recuperação está viva e a ser praticada em Narcóticos Anónimos - por aqueles com mais experiência, pelos recém-chegados que chegam às nossas reuniões e, mais do que tudo, por nós próprios. Basta abrirmos os olhos. 

Só por hoje: Vou reconhecer o milagre da minha recuperação e mostrar-me grato por tê-la encontrado.

sexta-feira, 6 de julho de 2012

Meditação do Dia SEXTA, 06 DE JULHO DE 2012




Meditação do Dia

SEXTA, 06 DE JULHO DE 2012


Desculpas 
"A coisa mais importante (do Oitavo Passo) é ajudar-nos a construir a percepção de que aos poucos podemos desenvolver uma nova atitude em relação a nós mesmos e a lidar com os outros." Texto Básico, p. 45 
Pedir desculpa não será provavelmente algo que nos seja estranho. Na nossa adicção activa pode ter sido algo de muito comum. Passávamos a vida a pedir desculpa às pessoas e, se calhar, ficávamos surpreendidos quando alguém, farto das nossas desculpas sem sentido, respondia, "Claro que pedes desculpa. Não passas de uma miserável desculpa..." Esse pode ter sido o nosso primeiro indício de que pedir desculpa não faz qualquer diferença àquelas pessoas que prejudicámos, especialmente quando tanto nós, como elas, sabíamos que iríamos voltar a repetir o mesmo erro. Muitos de nós pensavam que fazer reparações seria, de novo, pedir desculpas. Todavia, a acção que tomamos nesses passos é inteiramente diferente. Fazer reparações significa mudar e, sobretudo, reparar a situação. Se roubámos dinheiro, não basta pedirmos desculpa e dizermos, "Não voltarei a fazer isto, agora que estou limpa." Pagamos o dinheiro de volta. Se abusámos de familiares ou os negligenciámos, não basta pedirmos desculpa. Começamos a tratá-los com respeito. Reparar o nosso comportamento e a forma como nos tratamos a nós próprios e aos outros é o verdadeiro objectivo destes passos. Não estamos apenas arrependidos; somos responsáveis.

Só por hoje: Aceito a responsabilidade por mim próprio e pela minha recuperação. Hoje vou fazer uma reparação por algo de que me arrependa.

quinta-feira, 5 de julho de 2012

Meditação do Dia QUINTA, 05 DE JULHO DE 2012




Meditação do Dia

QUINTA, 05 DE JULHO DE 2012


Explorar opções espirituais 
"A natureza da nossa crença irá determinar o modo como oramos ou meditamos." Texto Básico, p. 51 
Como é que rezamos? Para cada membro de NA, este constitui um assunto profundamente pessoal. Muitos de nós vêm a descobrir com o tempo que desenvolvem uma forma de rezar e de meditar baseada naquilo que aprendem com outros e naquilo que os faz sentir confortáveis. Alguns de nós chegam a NA com a mente fechada em relação a um Poder superior a nós mesmos. Mas quando nos sentamos com o nosso padrinho ou madrinha e falamos das nossas dificuldades, olhando exaustivamente para o Segundo Passo, sentimo-nos contentes por verificar que podemos escolher qualquer conceito de um Poder Superior que nos agrade. Tal como a definição de um Poder superior a nós mesmos difere de adicto para adicto, também assim a nossa forma de alcançar um "contacto consciente" será diferente. Uns vão a cerimónias religiosas; outros praticam canto; outros sentam-se tranquilamente ou falam com aquilo que esteja em seu redor; outros ainda descobrem uma ligação espiritual através de uma comunhão com a natureza. A "forma correcta" de rezar e meditar é aquilo que nos ajude a melhorar o nosso contacto consciente com o nosso próprio Poder Superior. Uma boa forma de começar será sempre a de tentarmos saber como outros descobriram a sua direcção espiritual. A leitura de um texto antes de começarmos a meditar também poderá ajudar-nos. Muitos já partiram nesta descoberta antes de nós. À medida que procuramos o crescimento espiritual, poderemos beneficiar grandemente da sua experiência. 

Só por hoje: Vou explorar as minhas opções para melhorar o meu contacto consciente com o Deus da minha concepção.

DESCULPAS

GOSTARIA DE PEDIR DESCULPAS AOS LEITORES DE MEU BLOG, MAIS É QUE TIVE PROBLEMAS DE HORÁRIOS NESSES DIAS E NÃO PUDE POSTAR A NOSSA MEDITAÇÃO DIÁRIA.

MAIS VAMOS LÁ

terça-feira, 3 de julho de 2012

Meditação do Dia TERÇA, 03 DE JULHO DE 2012



Meditação do Dia

TERÇA, 03 DE JULHO DE 2012


Momentos tranquilos 
"Muitos de nós descobrem que guardar de lado algum tempo tranquilo para nós próprios ajuda-nos a entrar em contacto consciente com o nosso Poder Superior." Texto Básico, p. 106 
A maioria de nós faz muita conversa fiada acerca do valor de um contacto consciente com um Poder Superior. Mas quantos de nós se esforçam regularmente por melhorar esse contacto consciente? Se não tivermos ainda estabelecido um regime regular de oração e meditação, hoje é o dia para iniciarmos um. Os "momentos tranquilos" não precisam de ser longos. Muitos de nós acham que vinte a trinta minutos é tempo suficiente para sossegar, para focar a nossa atenção com uma leitura espíritual, para partilhar os nossos pensamentos e preocupações numa oração, e para guardar alguns momentos para escutar uma resposta através de meditação. Os nossos "momentos tranquilos" não precisam de ser longos para serem eficazes; basta que sejam consistentes. Vinte minutos, uma vez por mês, para rezar, pouco mais farão do que aumentar a nossa frustração pela fraca qualidade do nosso contacto consciente. Mas bastarão vinte minutos regularmente, cada dia, para renovar e reforçar um contacto já vivido com o nosso Poder Superior. Na agitação da vida diária de um adicto em recuperação, muitos de nós acabam por passar o dia inteiro sem guardar alguns momentos para melhorarem o seu contacto consciente com o Deus que vieram a conceber. Contudo, se todos os dias reservar-mos um pequeno período como "momento tranquilo", estaremos certos de que o nosso contacto consciente irá melhorar. 

Só por hoje: Uma vez feita a leitura de hoje, vou guardar alguns momentos para rezar e meditar. Este será o início de um novo padrão para a minha recuperação.

segunda-feira, 2 de julho de 2012

Meditação do Dia SEGUNDA, 02 DE JULHO DE 2012



Meditação do Dia

SEGUNDA, 02 DE JULHO DE 2012


Comparações 
"As nossas histórias pessoais podem variar em termos de padrão individual, mas temos todos a mesma coisa em comum." Texto Básico, p. 98 
Nós, adictos, somos um grupo variado, de origens diferentes, que usámos drogas diferentes e com recordações diferentes. As nossas diferenças não desaparecem com a recuperação; para alguns essas diferenças podem até tomar-se mais salientes. A libertação da adicção activa dá-nos a liberdade de sermos nós próprios, tal como somos. O facto de estarmos todos a recuperar não significa que tenhamos todos as mesmas necessidades ou os mesmos objectivos. Cada um de nós tem as suas próprias liçÕes a aprender em recuperação. Com tantas diferenças de um adicto para outro, como é que nos ajudamos uns aos outros em recuperação, e como é que usamos a experiência uns dos outros? Juntamo-nos para partilhar as nossas vidas à luz dos princípios da recuperação. Embora as nossas vidas sejam diferentes, os princípios espirituais que aplicamos são os mesmos. É à luz desses princípios, a brilharem através das nossas diferenças, que nos iluminamos uns aos outros nos nossos caminhos individuais. Todos nós temos duas coisas em comum: a adicção e a recuperação. Quando escutamos com atenção, ouvimos outros falarem de como sofrem da mesma doença que nós, não importa de onde vieram. Quando abrimos os ouvidos, escutamos outros adictos falarem da aplicação de princípios espirituais que também nos prometem esperança, sejam quais forem os nossos objectivos pessoais. 

Só por hoje: Tenho o meu próprio caminho para seguir, mas estou grato à companhia de outros que sofreram com a adicção e que estão, como eu, a aprender a aplicar os princípios da recuperação.