sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Meditação do Dia SEXTA, 31 DE AGOSTO DE 2012




Meditação do Dia

SEXTA, 31 DE AGOSTO DE 2012


Gratidão 
"Problemas desesperados de vivência modificam-se para bem. A nossa doença foi travada e tudo é agora possível." Texto Básico, p. 118 
O programa de NA deu-nos mais liberdade do que alguma vez julgámos possível. Por vezes, porém, no nosso dia-a-dia, esquecemo-nos de tudo aquilo que nos foi dado. Como, exactamente, é que as nossas vidas mudaram em Narcóticos Anónimos? O denominador comum em recuperação é, claro, a libertação da compulsão para usar. Não mais precisamos de despender todos os nossos recursos a alimentar a nossa adicção. Já não precisamos de nos pôr em perigo, de nos humilharmos, ou abusar de nós próprios ou a outros, só para conseguirmos a dose seguinte. A própria abstinência trouxe grande liberdade para as nossas vidas. Narcóticos Anónimos tem-nos dado muito mais do que a simples abstinência - foi-nos dada toda uma vida nova. Fizemos o nosso inventário e identificámos os defeitos de carácter que nos amarraram durante tanto tempo, impedindo-nos de viver e de gozar a vida. Rendemo-nos a essas imperfeições, assumimos responsabilidade por elas, e procurámos a direcção e o poder de que precisamos para viver de forma diferente. O nosso grupo-base tem-nos dado o calor pessoal e o apoio que nos ajudam a continuar a viver em recuperação. E, para completar isto tudo, temos o amor, o carinho e a orientação do Deus que viemos a conceber em NA. No decurso da recuperação no dia-a-dia, esquecemo-nos por vezes de quanto as nossas vidas mudaram em Narcóticos Anónimos. Será que apreciamos plenamente aquilo que o nosso programa nos tem dado? 

Só por hoje: A recuperação tem-me dado liberdade. Vou acolher o dia com esperança, grato por tudo hoje ser possível.

quinta-feira, 30 de agosto de 2012

Meditação do Dia QUINTA, 30 DE AGOSTO DE 2012


Meditação do Dia

QUINTA, 30 DE AGOSTO DE 2012


Fazer bem, sentir bem 
"Examinamos as nossas acções, reacções e motivos. Por vezes descobrimos que temos estado a fazer melhor do que nos temos sentido." Texto Básico, p. 49 
A forma como tratamos os outros costuma revelar a forma como nos sentimos. Quando estamos em paz, é mais provável que tratemos os outros com respeito e compaixão. Contudo, quando não nos sentimos bem, é provável que respondamos aos outros com intolerância e impaciência. Quando fazemos um inventário regular, vamos provavelmente notar um padrão: tratamos mal os outros quando nos sentimos mal connosco próprios. Aquilo que, todavia, poderá não ser revelado num inventário é a outra face da moeda: quando tratamos bem os outros, sentimo-nos bem connosco próprios. Quando acrescentamos esta verdade positiva aos factos negativos que vamos descobrindo no nosso inventário, começamos a comportarmo-nos de forma diferente. Quando nos sentimos mal, podemos parar e rezar por orientação e força. Depois, tomamos uma decisão de tratar aqueles à nossa volta com carinho, gentileza, e a mesma preocupação que gostaríamos que nos fosse demonstrada. Uma decisão de se ser amável pode alimentar e manter a alegria e a paz de espírito que todos desejamos. E a alegria que inspiramos pode levantar os espíritos daqueles à nossa volta, por sua vez alimentando o nosso próprio bem-estar espiritual. 

Só por hoje: Vou lembrar-me de que se mudar as minhas acções, os meus pensamentos segui-las-ão.

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Meditação do Dia QUARTA, 29 DE AGOSTO DE 2012



Meditação do Dia

QUARTA, 29 DE AGOSTO DE 2012


Não olhes para trás 
Os passos permitem "que saiamos da nossa antiga vida, dominada por sentimentos de culpa e pelo remorso. É o nosso futuro que se transforma, pois não precisamos de continuar a evitar aqueles que prejudicámos. Como resultado ... recebemos uma nova liberdade que pode pôr um fim ao nosso isolamento." Texto Básico, p. 45
Muitos de nós chegam a Narcóticos Anónimos cheios de remorsos sobre o passado. Os nossos passos ajudam-nos a começar a resolver esses remorsos. Examinamos as nossas vidas, admitimos os nossos erros, fazemos reparações por eles, e tentamos sinceramente modificar o nosso comportamento. Ao fazermos isso, encontramos um sentido mais feliz da liberdade. Não precisamos mais de negar ou de ter remorsos do passado. Uma vez feitas as nossas reparações, aquilo que está feito, está feito. A partir daí, aquilo que fizemos deixa de ser a coisa mais importante sobre nós. O que conta é para onde vamos. Em NA, começamos a olhar para a frente. É verdade que vivemos e mantemo-nos limpos só por hoje. Mas descobrimos que podemos começar a colocar objectivos, a alimentar sonhos, a ansiar as alegrias que uma vida em recuperação tem para dar. Olhar em frente mantém-nos centrados nos nossos objectivos, sem remorsos quanto ao passado. Apesar de tudo, é difícil seguir-se em frente se estivermos a olhar para trás.

Só por hoje: Os passos libertaram-me dos remorsos do meu passado. Hoje olho em frente para a minha nova vida em recuperação.

terça-feira, 28 de agosto de 2012

Meditação do Dia TERÇA, 28 DE AGOSTO DE 2012




Meditação do Dia

TERÇA, 28 DE AGOSTO DE 2012


Expostos à luz 
"Estes defeitos crescem no escuro e morrem quando são expostos." Texto Básico, p. 37 
O Quinto Passo pede-nos que partilhemos a nossa verdadeira natureza com Deus, connosco próprios, e com um outro ser humano. Não nos encoraja a contar a toda a gente cada pequeno segredo nosso. Não nos pede que contemos ao mundo inteiro cada pensamento vergonhoso ou aterrador que tenhamos tido. O Quinto Passo sugere apenas que os nossos segredos prejudicam-nos mais se os guardarmos, do que se os revelarmos a alguém. Se cedermos à nossa relutância em revelar a nossa verdadeira natureza a um só ser humano que seja, o lado secreto das nossas vidas tomar-se-á mais poderoso. E quando são os segredos a controlar-nos, eles criam uma separação entre nós próprios, 0 nosso Poder Superior, e as coisas que mais prezamos na nossa recuperação. Quando partilhamos em confiança o nosso lado secreto com pelo menos um ser humano - talvez o nosso padrinho ou madrinha, ou um amigo chegado - essa pessoa não irá decerto rejeitar-nos. Abrimo-nos com outra pessoa e somos recompensados com a sua aceitação. Quando isso acontece, compreendemos que uma partilha honesta não pode ameaçar as nossas vidas; os segredos perderam o seu poder sobre nós. 

Só por hoje: Posso desarmar os segredos na minha vida ao partilhá-los com um outro ser humano.

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Meditação do Dia SEGUNDA, 27 DE AGOSTO DE 2012




Meditação do Dia

SEGUNDA, 27 DE AGOSTO DE 2012


Escolher a vida 
"Tomou-se necessária uma mudança dos padrões de vida autodestrutivos." Texto Básico, p. 17 
A adicção activa é um desejo de morte que vai queimando lentamente. Cada um nós brincava com a morte de cada vez que usava. O nosso modo de vida também nos colocava em risco. A vida de um adicto é vendida ao desbarato, cada dia, com cada dose. Em recuperação, o primeiro padrão que mudamos é o padrão do uso. Mantermo-nos limpos constitui o ponto de partida para a nossa caminhada em direcção à vida. Mas o nosso comportamento autodestrutivo costumava ir mais fundo do que apenas o nosso uso. Mesmo em recuperação podemos continuar a tratar-nos como se nada valêssemos. Quando nos tratamos mal, sentimo-nos mal. E quando nos sentimos mal, procuramos alívio - talvez até na nossa velha solução, as drogas. Escolher a recuperação significa escolher a vida. Cada dia decidimos que queremos viver e ser livres. Cada vez que evitamos um comportamento autodestrutivo, estamos a escolher a recuperação. 

Só por hoje: Vou escolher a vida ao escolher a recuperação. Vou tomar conta de mim próprio.

sexta-feira, 24 de agosto de 2012

Meditação do Dia SEXTA, 24 DE AGOSTO DE 2012


Meditação do Dia

SEXTA, 24 DE AGOSTO DE 2012


Procurar a vontade de Deus 
"Aprendemos a não rezar por coisas específicas." Texto Básico, p. 53 
Na nossa adicção activa, não costumávamos rezar pelo conhecimento da vontade de Deus para nós e pelas forças para realizá-la. Pelo contrário, a maior parte das nossas orações eram para que Deus nos tirasse dos problemas em que nos havíamos metido. Julgávamos que os milagres iam acontecer a nosso pedido. Esse tipo de pensamento e essa forma de rezar mudam quando começamos a praticar o 11º Passo. A única saída para os problemas que nós próprios criámos é rendermo-nos a um Poder superior a nós mesmos. Em recuperação aprendemos a aceitar. Através das nossas orações e meditações, procuramos o conhecimento da forma como deveremos lidar com as circunstâncias das nossas vidas. Paramos de lutar, largamos as nossas próprias ideias sobre como as coisas deverão passar-se, pedimos conhecimento, e escutamos as respostas. Estas não costumam vir como um raio de luz acompanhadas por um rufar de tambores. As respostas, quando surgem, são acompanhadas de uma sensação tranquila de segurança, de certeza de que as nossas vidas estão na boa direcção, de que um Poder superior a nós mesmos está a guiar-nos no nosso caminho. Temos uma escolha. Podemos passar o nosso tempo todo a lutar para que as coisas corram como queremos, ou podemos render-nos à vontade de Deus. A paz pode ser encontrada na aceitação dos altos e baixos da vida. 

Só por hoje: Vou largar as minhas expectativas, procurar a orientação do meu Poder Superior, e aceitar a vida.

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

Meditação do Dia QUINTA, 23 DE AGOSTO DE 2012



Meditação do Dia

QUINTA, 23 DE AGOSTO DE 2012


Tomada de decisões 
"Antes de deixarmos as drogas, quase todas as nossas acções eram guiadas por impulsos. Hoje, não estamos presos a este tipo de pensamento." Texto Básico, pp. 101-102 
A vida é constituída por uma série de decisões, acções, e consequências. Quando usávamos, as nossas decisões eram geralmente guiadas pela nossa doença resultando em acções autodestrutivas com consequências graves. Isso levou-nos a considerar as tomadas de decisão como um jogo viciado, que deveríamos evitar o mais possível. Muitos de nós têm, por isso, grande dificuldade de aprender a tomar decisões em recuperação. Lentamente, ao trabalharmos os Doze Passos, ganhamos prática na tomada de decisões saudáveis, que dêem resultados positivos. Onde antes a nossa doença afectava a nossa vontade e as nossas vidas, pedimos agora ao nosso Poder Superior que cuide de nós. Fazemos um inventário dos nossos valores e das nossas acções, partilhamos isso com alguém em quem confiemos, e pedimos ao Deus da nossa concepção que remova as nossas limitações. Ao praticarmos os passos ficamos libertos da influência da nossa doença, e aprendemos princípios, de tomada de decisões, que poderão guiar-nos em todas as áreas das nossas vidas. Hoje, as nossas decisões e as suas consequências não precisam de ser influenciadas pela nossa doença. A nossa fé dá-nos a coragem e a direcção para tomarmos boas decisões e a força para as pormos em prática. O resultado desse tipo de tomada de decisão está numa vida que vale a pena ser vivida. 

Só por hoje: Vou utilizar os princípios dos Doze Passos para tomar decisões saudáveis. Vou pedir ao meu Poder Superior a força para pôr em prática essas decisões.

quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Meditação do Dia QUARTA, 22 DE AGOSTO DE 2012



Meditação do Dia

QUARTA, 22 DE AGOSTO DE 2012


Contribuir 
"Reconhecemos o nosso crescimento espiritual quando somos capazes de contactar e ajudar outros ..." Texto Básico, p. 66 
Fazer uma diferença neste mundo, contribuir com algo de especial, constitui talvez a mais elevada aspiração do coração humano. Cada um de nós, qualquer que seja a sua formação pessoal, tem uma qualidade única para dar. Provavelmente, em determinado momento da nossa recuperação encontrámos alguém que nos ajudou quando mais ninguém podia. Fazê-lo quer tenha sido alguém que nos tenha feito rir na nossa primeira reunião, ou um padrinho ou madrinha cheio de amizade e compaixão, ou um amigo que nos compreendeu e nos apoiou através de uma tempestade emocional, essa pessoa fez toda a diferença do mundo. Todos nós temos tido a dádiva da recuperação partilhada connosco por um outro adicto em recuperação. Estamos gratos por isso. Expressamos a nossa gratidão ao partilharmos livremente com outros aquilo que nos foi dado a nós. A mensagem individual que transmitimos poderá ajudar um recém-chegado a quem apenas nós poderemos chegar. Existem muitas formas de servir a nossa irmandade. Cada um de nós verá que há certas coisas que fazemos melhor do que outras, embora todo o serviço seja igualmente importante. Se estivermos dispostos a servir, iremos certamente encontrar a forma de servir que melhor se adapta a nós. 

Só por hoje: A minha contribuição faz uma diferença. Hoje vou dar a minha ajuda.

terça-feira, 21 de agosto de 2012

Meditação do Dia TERÇA, 21 DE AGOSTO DE 2012



Meditação do Dia

TERÇA, 21 DE AGOSTO DE 2012


Amizades 
"As nossas amizades tomam-se profundas e nós sentimos o calor e o carinho que resultam de adictos partilharem recuperação e um novo modo de vida." IP nº 19, A auto-aceitação 
A maioria de nós chega a Narcóticos Anónimos com poucos amigos de verdade. E a maioria chega sem a menor ideia do que custa construir amizades duradouras. Com o tempo, todavia, aprendemos que as amizades exigem trabalho. Há sempre momentos em que as amizades constituem um desafio. Como qualquer relação, a amizade constitui um processo de aprendizagem. Os nossos amigos amam-nos o suficiente para nos dizerem a verdade acerca de nós próprios. O velho ditado, "A verdade irá libertar-te, mas primeiro irá pôr-te furioso", parece aplicar-se particularmente às amizades. Isso pode complicar uma amizade. Podemos começar a evitar certas reuniões em vez de enfrentar- mos os nossos amigos. Mas descobrimos que eles dizem-nos determinadas coisas porque se preocupam connosco. Querem o melhor para nós. Os nossos amigos aceitam-nos apesar das nossas limitações. Compreendem que somos ainda um trabalho em progressão. Os amigos estão lá para nós quando nós próprios não estamos. Os amigos ajudam-nos a obter uma perspectiva importante dos acontecimentos nas nossas vidas e na nossa recuperação. É importante que cultivemos activamente as amizades, pois já aprendemos que não conseguimos recuperar sozinhos. 

Só por hoje: Vou estar grato pelos amigos que tenho. Vou tomar parte activa nas minhas amizades.

segunda-feira, 20 de agosto de 2012

Meditação do Dia SEGUNDA, 20 DE AGOSTO DE 2012




Meditação do Dia

SEGUNDA, 20 DE AGOSTO DE 2012


Enfrentar a morte 
"Por vezes temos de encarar uma qualquer crise na nossa recuperação, tal como a morte de alguém que gostávamos ..." Texto Básico, p. 113 
As nossas vidas têm um princípio e um fim. Todavia, quando alguém de quem gostamos muito chega ao fim da sua vida, poderemos sentir uma grande dificuldade em aceitar a sua falta súbita e permanente. A nossa dor poderá ser tão poderosa que receamos que ela seja demais para nós - mas não será assim. A nossa mágoa poderá doer mais do que qualquer outra coisa, mas irá passar. Não precisamos de fugir das emoções que possam surgir com a morte de alguém querido. A morte, e a dor ligada a ela, são parte de um todo, que é viver "a vida tal como ela é". Ao nos permitirmos a liberdade de experimentar estes sentimentos, usufruímos mais profundamente tanto da recuperação como da nossa natureza humana. Por vezes a realidade da morte de outra pessoa torna a nossa própria mortalidade muito mais pronunciada. Reavaliamos as nossas prioridades, apreciando ainda mais a companhia daqueles que amamos. A nossa vida, e a nossa vida com eles, não irá durar para sempre. Queremos aproveitar ao máximo aquilo que é mais importante, enquanto durar. Poderemos descobrir que a morte de alguém que nos é querido ajudará a reforçar o nosso contacto consciente com o nosso Poder Superior. Se nos lembrarmos de que podemos virar-nos para essa fonte de força sempre que enfrentemos dificuldades, manter-nos-emos concentrados nela não importa aquilo que se passe à nossa volta. 

Só por hoje: Vou aceitar a perda de alguém que me seja querido e virar-me para o meu Poder Superior em busca da força para aceitar os meus sentimentos. Vou aproveitar ao máximo o meu amor por aqueles que estão hoje na minha vida.

sexta-feira, 17 de agosto de 2012

Meditação do Dia SEXTA, 17 DE AGOSTO DE 2012




Meditação do Dia

SEXTA, 17 DE AGOSTO DE 2012


Dizer a verdade 
"Um sintoma da nossa doença é a alienação, e a partilha honesta irá libertar-nos para recuperar." Texto Básico, p. 94 
A verdade liga-nos à vida, enquanto o medo, o isolamento e a desonestidade nos afastam dela. Quando usávamos, escondíamos dos outros tudo aquilo que pudéssemos sobre nós prÓprios. O nosso medo impedia-nos de nos abrirmos àqueles que nos rodeavam, protegendo-nos daquilo que julgávamos que os outros nos fariam se fossemos vulneráveis. Mas o nosso medo também nos impedia de nos ligarmos ao mundo. Vivíamos como estranhos no nosso próprio planeta, sempre sozinhos e cada vez mais sós à medida que o tempo passava. Os Doze Passos e a irmandade de adictos em recuperação oferecem a pessoas como nós um lugar onde podemos sentir- -nos seguros dizendo a verdade acerca de nós próprios. Somos capazes de admitir honestamente a nossa impotência perante a adicção, com as suas frustrações e humilhações, pois encontramos muitos outros que já estiveram na mesma situação - sentimo-nos seguros entre eles. E continuamos a partilhar mais da verdade sobre nós mesmos à medida que praticamos os passos. Quanto mais coisas fizermos, mais ligados nos sentiremos ao mundo à nossa volta. Hoje não precisamos de nos esconder da realidade das nossas relações com as pessoas, os lugares e as coisas nas nossas vidas. Aceitamos essas relações tal como elas são, e assumimos o nosso papel nelas. Cada dia perguntamos, "Estarei a dizer a verdade acerca de mim próprio?" Cada vez que assim fizermos, estamos a evitar o afastamento que caracteriza a nossa adicção, e aproximamo-nos um pouco mais da liberdade que a recuperação pode oferecer-nos. 

Só por hoje: A verdade é a minha ligação à realidade. Hoje vou perguntar a mim próprio, "Estarei a dizer a verdade?"

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

Meditação do Dia QUINTA, 16 DE AGOSTO DE 2012




Meditação do Dia

QUINTA, 16 DE AGOSTO DE 2012


Progressão ou regressão 
"Este é o nosso caminho para um crescimento espiritual. Mudamos com cada dia... Este crescimento não é o resultado de um desejo, mas sim de acção e de oração." Texto Básico, p. 42 
O nosso estado espiritual nunca é estático; se não estiver a progredir, está a regredir. Se estivermos parados, o nosso progresso espiritual perderá a sua dinâmica ascendente. A pouco e pouco o nosso crescimento irá abrandar, até parar. A nossa tolerância começa a esgotar-se; a nossa vontade de servir os outros desaparece; as nossas mentes fecham-se. Em breve estaremos de volta ao ponto de partida, em conflito com tudo e todos à nossa volta, incapazes de lidar até connosco próprios. A nossa única escolha é participarmos activamente no nosso programa de crescimento espiritual. Rezamos, procurando uma compreensão de um Poder superior a nós mesmos. Abrimos as nossas mentes e mantemo-las abertas, dispostos a aprender a aproveitar aquilo que os outros tenham para partilhar connosco. Demonstramos a nossa boa-vontade para experimentar novas ideias e maneiras de fazer as coisas, vivendo a vida de uma forma inteiramente diferente. O nosso progresso espiritual ganha velocidade e dinâmica, guiado pelo Poder Superior que viemos a compreender melhor de dia para dia. Progredir ou regredir - só há uma escolha, com muito pouco pelo meio, no que diz respeito ao crescimento espiritual. Já vimos que a recuperação não é alimentada por sonhos ou desejos, mas sim por actos e por orações. 

Só por hoje: A única constante no meu estado espiritual é a mudança. Não posso confiar no programa de ontem. Hoje procuro um novo crescimento espiritual através da oração e da acção.

quarta-feira, 15 de agosto de 2012

TIVE DIFICULDADES

PESSOAL PEÇO A COMPREENSÃO DE TODOS POIS ALGUMAS VEZES FICO LOTADO DE COISAS, E MEU TEMPO TA CORRIDO.

Meditação do Dia QUARTA, 15 DE AGOSTO DE 2012


Meditação do Dia

QUARTA, 15 DE AGOSTO DE 2012


Não é de um dia para o outro 
"Descobrimos que não é de um dia para o outro que recuperamos física, mental e espiritualmente." Texto Básico, p. 32 
Já alguma vez, ao celebrares um aniversário de recuperação, tiveste a sensação de que devias estar mais avançado na recuperação do que estás? Talvez tenhas ouvido recém-chegados partilharem em reuniões, membros com muito menos tempo limpo, e pensado, "Mas só agora é que começo a perceber do que é que eles estão a falar!" É estranho que entremos em recuperação a julgar que iremos sentir-nos óptimos de um dia para o outro, ou que nunca mais iremos ter dificuldades a lidar com os problemas da vida. Julgamos que vamos recuperar logo dos nossos problemas físicos, que os nossos pensamentos vão tornar-se logo racionais, e que uma vida espiritual saudável vai manifestar-se de um dia para o outro. Esquecemo-nos de que passámos anos a abusar dos nossos corpos, a adormecer as nossas mentes, e a reprimir a consciência de um Poder Superior. Não podemos sarar essas feridas num só dia, todavia, podemos pôr em prática mais um passo, ir a mais uma reunião, ajudar mais um recém-chegado. Saramos e recuperamos pouco a pouco - não é de repente, mas com tempo. 

Só por hoje: O meu corpo irá sarar um pouco, a minha mente irá ficar um pouco mais clara, e a minha relação com o meu Poder Superior irá reforçar-se.

quarta-feira, 8 de agosto de 2012

Meditação do Dia QUARTA, 08 DE AGOSTO DE 2012




Meditação do Dia

QUARTA, 08 DE AGOSTO DE 2012


Recuperação responsável
"... aceitamos a responsabilidade pelos nossos problemas e vemos que somos igualmente responsáveis pelas nossas soluções." Texto Básico, p. 108 
Alguns de nós, habituados a deixarem as suas responsabilidades pessoais para os outros, podem tentar comportar-se da mesma forma em recuperação. Depressa descobrirão que não resulta. Por exemplo, se estivermos a pensar em modificar determinada coisa nas nossas vidas, falamos com o nosso padrinho ou madrinha, e perguntamos-lhe o que fazer. Sob a aparência de procurarmos direcção, estamos de facto a pedir-lhe que assuma a responsabilidade de tomar decisões sobre a nossa vida. Ou talvez tenhamos sido mais bruscos com alguém numa reunião, e por isso pedimos ao melhor amigo dessa pessoa que lhe peça desculpas por nós. Talvez neste último mês tenhamos pedido demasiadas vezes a alguém que nos substituísse nos nossos compromissos de serviço. Será que fomos pedir a um amigo que analisasse o nosso próprio comportamento e identificasse as nossas imperfeições, em vez de sermos nós a fazer o nosso próprio inventário? A recuperação é algo que tem de ser praticado. Não nos vai ser dada numa bandeja de prata, nem podemos esperar que sejam os nossos amigos, o nosso padrinho ou madrinha a responsabilizarem-se pelo trabalho que tem de ser feito por nós próprios. Recuperamos ao tomarmos as nossas próprias decisões, fazendo o nosso próprio serviço, e trabalhando os nossos próprios passos. Ao fazermos isto por nós, recebemos a recompensa. 

Só por hoje: Aceito a responsabilidade pela minha vida e pela minha recuperação.

terça-feira, 7 de agosto de 2012

Meditação do Dia TERÇA, 07 DE AGOSTO DE 2012


Meditação do Dia

TERÇA, 07 DE AGOSTO DE 2012


A lista de gratidão
"Concentramo-nos em qualquer coisa que não corra à nossa maneira e ignoramos toda a beleza nas nossas vidas." Texto Básico, p. 91 
É fácil sentirmo-nos gratos quando tudo corre bem. Se somos aumentados, sentimo-nos gratos. Se casamos, sentimo-nos gratos. Se alguém nos surpreende com uma bonita prenda, ou se alguém nos faz um favor que não pedimos, sentimo-nos gratos. Mas se somos despedidos, se nos divorciamos, ou se ficamos desapontados com alguma coisa, a gratidão desaparece toda. Ficaremos obcecados com tudo aquilo que não esteja a correr bem, mesmo quando tudo o resto possa ser maravilhoso. É nessas alturas que nos é útil uma lista de gratidão. Sentamo-nos com papel e caneta e fazemos uma lista das pessoas a quem estamos gratos. Todos nós temos pessoas que nos apoiaram através de períodos difíceis. Fazemos uma lista das qualidades espirituais que alcançámos, pois sabemos que sem elas nunca conseguiríamos chegar onde chegámos. E, por último, mas não menos importante, fazemos uma lista da nossa própria recuperação. Tudo aquilo por que nos sintamos gratos vai para essa lista. Iremos certamente encontrar centenas de coisas nas nossas vidas que inspiram a nossa gratidão. Mesmo aqueles de nós que sofrem de uma doença, ou que tenham perdido todos os bens materiais, encontrarão bens de uma natureza espiritual pelos quais possam estar agradecidos. Um despertar do espírito constitui a dádiva mais valiosa que um adicto pode receber. 

Só por hoje: Vou escrever uma lista das coisas, materiais e espirituais, pelas quais me sinto grato.

sexta-feira, 3 de agosto de 2012

Meditação do Dia SEXTA, 03 DE AGOSTO DE 2012





Meditação do Dia

SEXTA, 03 DE AGOSTO DE 2012


Confiar nas pessoas
"Muitos de nós não teriam tido mais sítios para onde ir, se não tivessem podido confiar nos grupos e membros de NA." Texto Básico, p. 95 
Confiar nas pessoas é um risco. Os seres humanos são notoriamente esquecidos, inconsistentes e imperfeitos. Muitos de nós vêm de origens onde era comum haver traições e insensibilidade entre amigos. Mesmo os nossos amigos mais chegados não eram de confiança. Quando chegámos às portas de NA, muitos de nós já haviam vivido centenas de experiências que lhes davam a certeza de que as pessoas não eram dignas de confiança. Contudo, a nossa recuperação exige que confiemos em alguém. Somos confrontados com este dilema: as pessoas nem sempre são de confiança, mas nós precisamos de confiar nelas. Como é que alcançamos isso, dada a evidência dos nossos passados? Em primeiro lugar, lembramo-nos de que as regras da adicção activa não se aplicam em recuperação. A maioria dos nossos companheiros estão a fazer o seu melhor para viverem segundo os princípios espirituais que aprenderam no programa. Em segundo lugar, lembramo-nos de que nós também não somos 100% de confiança. Iremos certamente desapontar alguém nas nossas vidas, não importa quanto nos esforcemos para não fazê-lo. Em terceiro lugar, e o mais importante, compreendemos que precisamos de confiar nos nossos companheiros de NA. As nossas vidas estão em jogo, e a única forma de nos mantermos limpos é confiar nessas pessoas bem-intencionadas, que seguramente não são perfeitas. 

Só por hoje: Vou confiar nos meus companheiros. Embora não sendo certamente perfeitos, eles são a minha maior esperança.