terça-feira, 25 de setembro de 2012

Meditação do Dia TERÇA, 25 DE SETEMBRO DE 2012


Meditação do Dia

TERÇA, 25 DE SETEMBRO DE 2012


O Quarto Passo - medo das nossas emoções 
"Podemos recear que entrar em contacto com os nossos sentimentos possa espoletar uma enorme reacção de dor e de pânico." Texto Básico, p. 35 
Uma coisa de que costumamos queixar-nos do Quarto Passo é a de que ele torna-nos dolorosamente conscientes dos nossos defeitos. Podemos sentir a tentação de vacilar no nosso programa de recuperação. Através da rendição e da aceitação, podemos encontrar os recursos de que precisamos para continuar a praticar os passos. Não é a consciência dos nossos defeitos que nos causa maior dor - são, sim, os próprios defeitos. Quando andávamos a usar, tudo o que sentíamos eram as drogas; podíamos ignorar o sofrimento que os nossos defeitos nos causavam. Agora que já não há drogas, sentimos essa dor. Recusarmos reconhecer a origem da nossa angústia não faz com que ela desapareça; a negação protege a dor e torna-a mais forte. Os Doze Passos ajudam-nos a lidar com a miséria causada pelos nossos defeitos, ao lidarmos directamente com os defeitos. Se sentirmos a dor dos nossos defeitos, podemos recordar-nos do pesadelo da adicção, um pesadelo do qual acordámos agora. Podemos lembrar-nos da esperança que o Segundo Passo nos trouxe. Podemos voltar a entregar a nossa vontade e a nossa vida, através do Terceiro Passo, aos cuidados de um Deus da nossa concepção. O nosso Poder Superior cuida de nós ao dar-nos a ajuda necessária para trabalhar o resto dos Doze Passos. Não precisamos de ter medo dos nossos sentimentos. Só por hoje, podemos continuar a nossa recuperação.

Só por hoje: Não vou ter medo dos meus sentimentos. Com a ajuda do meu Poder Superior vou prosseguir na minha recuperação.

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Meditação do Dia QUARTA, 19 DE SETEMBRO DE 2012


Meditação do Dia

QUARTA, 19 DE SETEMBRO DE 2012


Irmandade
"Em NA, as nossas alegrias são multiplicadas ao partilharmos os dias bons; as nossas mágoas atenuam-se ao partilharmos os maus momentos. Pela primeira vez nas nossas vidas, não temos de experimentar nada sozinhos." IP no 16, Para o recém-chegado 
Quando praticamos os passos e os outros instrumentos do programa para lidarmos com as nossas dificuldades, tornamo-nos capazes de gozar as alegrias de uma vida limpa. Mas as nossas alegrias passarão depressa se não as partilharmos com outros, enquanto que as dificuldades vividas sozinhas poderão demorar a passar. Na irmandade de Narcóticos Anónimos, costumamos multiplicar as nossas alegrias e dividir as nossas dificuldades ao partilhá-las uns com os outros. Nós, adictos, experimentamos alegrias em recuperação que, por vezes, só um outro adicto consegue apreciar. Os outros membros compreendem quando lhes falamos do orgulho que sentimos hoje ao assumirmos responsabilidades, do calor que sentimos em reparar relacionamentos danificados, do alívio que experimentamos em não termos de usar drogas para atravessar o dia. Quando partilhamos estas experiências com adictos em recuperação, e eles respondem com histórias semelhantes, a nossa alegria é multiplicada. 0 mesmo princípio aplica-se aos desafios que enfrentamos como adictos em recuperação. Ao partilharmos os nossos desafios e permitirmos que outros membros de NA partilhem connosco a sua força, o nosso fardo é aliviado. A irmandade que temos em Narcóticos Anónimos é preciosa. Ao partilharmos juntos, aumentamos as alegrias e diminuímos as dificuldades da vida em recuperação.

Só por hoje: Vou partilhar as minhas alegrias e as minhas dificuldades com outros adictos em recuperação. Vou também partilhar as deles. Sinto-me grato pelos fortes laços existentes em Narcóticos Anónimos.

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Meditação do Dia SEGUNDA, 17 DE SETEMBRO DE 2012


Meditação do Dia

SEGUNDA, 17 DE SETEMBRO DE 2012


Ir além do Quinto Passo 
"Podemos achar que já fizemos o suficiente ao escrevermos sobre o passado. Não podemos cair nesse erro." Texto Básico, p. 37
Alguns de nós não têm grande vontade de escrever um Quarto Passo; outros levam-no a um extremo. Perante o crescente desespero do nosso padrinho ou madrinha, nós não paramos de nos inventariar. Descobrimos tudo aquilo que há para descobrir sobre os motivos porque éramos como éramos. Achamos que pensar, escrever, e falar sobre o nosso passado é o suficiente. Não ouvimos nenhuma das sugestões do nosso padrinho ou madrinha para nos prontificarmos a que os nossos defeitos sejam removidos ou para fazermos reparações pelos danos que causámos. Limitamo-nos a escrever cada vez mais sobre esses defeitos e deliciamo-nos a partilhar aquilo que vamos vendo. Por fim, o nosso padrinho ou madrinha, já completamente esgotados, recuam em autodefesa. Por mais extremo que este cenário possa parecer, muitos de nós já se viram nesta situação. Pensar, escrever e falar sobre aquilo que estava errado connosco levavam-nos a pensar que tínhamos tudo sobre controlo. Mais cedo ou mais tarde, todavia, compreendemos que continuávamos presos aos nossos problemas, sem qualquer solução à vista. Sabíamos, que, se quiséssemos viver de forma diferente, teríamos que ir mais além do Quinto Passo no nosso programa. Começámos a procurar a boa-vontade para que um Poder Superior removesse os defeitos de carácter de que nos havíamos tornado tão cientes. Fizemos reparações pela destruição que havíamos causado a outros ao agirmos nesses defeitos. Só então é que começámos a experimentar a liberdade de um espírito acordado. Hoje já não somos mais vítimas; somos livres para irmos em frente na nossa recuperação.

Só por hoje: Embora sejam necessários, o Quarto e o Quinto Passo sozinhos não nos trarão uma recuperação emocional e espiritual. Vou fazê-los, e depois vou pô-los em prática.

sexta-feira, 14 de setembro de 2012

Meditação do Dia SEXTA, 14 DE SETEMBRO DE 2012


Meditação do Dia

SEXTA, 14 DE SETEMBRO DE 2012


Os segredos são reservas 
"Acabamos por descobrir que temos de nos tornar honestos, ou voltaremos a usar." Texto Básico, p. 96 
Toda a gente tem segredos, não é verdade? Alguns de nós têm pequenos segredos, coisas que só causariam pequenos embaraços se fossem descobertas. Alguns de nós têm grandes segredos, áreas inteiras das nossas vidas cobertas de uma escuridão espessa e triste. Os grandes segredos podem representar um perigo mais óbvio e imediato para a nossa recuperação. Mas os pequenos segredos fazem também os seus estragos, mais insidiosos ainda porque nós julgamo-los "inofensivos". Grandes ou pequenos, os nossos segredos representam um território espiritual que não estamos dispostos a render aos princípios da recuperação. Quanto mais reservarmos pedaços das nossas vidas para serem geridas pela vontade própria, e quanto mais vigorosamente defendermos o nosso "direito" a agarrarmo-nos a eles, mais estragos iremos causar. Gradualmente, os territórios das nossas vidas que se renderam tenderão a expandir-se, ganhando mais e mais terreno. Quer sejam grandes ou pequenos, os segredos nas nossas vidas irão, mais cedo ou mais tarde, levar-nos ao mesmo sítio. Temos de escolher - ou rendemos tudo ao nosso programa, ou iremos perder a nossa recuperação. 

Só por hoje: Quero o tipo de recuperação que advém de uma rendição total ao programa. Hoje vou falar com o meu padrinho ou madrinha e revelar os meus segredos, sejam grandes ou pequenos.

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Meditação do Dia SEGUNDA, 10 DE SETEMBRO DE 2012



Meditação do Dia

SEGUNDA, 10 DE SETEMBRO DE 2012


Mais forte do que palavras 
"Aprendemos que um simples abraço amigo pode significar tudo." Texto Básico, p. 103 
Talvez tenha havido alturas na nossa recuperação em que estivemos perto de alguém em grande dor. Lutávamos com a questão, "O que é que eu posso fazer para que ele se sinta melhor?" Sentíamo-nos ansiosos e inadequados para aliviar o seu sofrimento. Gostaríamos de ter mais experiência para partilhar. Não sabiamos o que dizer. Mas por vezes a vida causa feridas que não conseguem ser saradas nem mesmo com as palavras mais sentidas. As palavras nunca conseguem exprimir tudo aquilo que sentimos, quando estão envolvidos os nossos mais profundos sentimentos de compaixão. A linguagem é inadequada para se chegar a uma alma ferida, dado que só o toque de um Poder Superior amantíssimo consegue sarar uma ferida no espírito. Quando aqueles que amamos sofreram uma perda e estão em dor, a nossa simples presença será talvez a contribuição mais compassiva que poderemos dar. Podemos estar seguros de que um Poder Superior amantíssimo está em acção a sarar o espírito; a nossa única responsabilidade é estarmos lá. A nossa presença, um abraço amigo, e uma atenção dedicada, irão certamente exprimir a profundidade dos nossos sentimentos, e fazer mais, para chegar ao coração de um ser humano em dor, do que apenas palavras alguma vez conseguiriam.

Só por hoje: Vou oferecer a minha presença, um abraço, e a minha atenção dedicada, a alguém que eu ame.

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

Meditação do Dia QUINTA, 06 DE SETEMBRO DE 2012


Meditação do Dia

QUINTA, 06 DE SETEMBRO DE 2012


Ida regular a reuniões 
"A nossa experiência colectiva tem-nos mostrado que aqueles que assistem regularmente às nossas reuniões mantêm-se limpos." Texto Básico. p. 11 
O programa de NA dá-nos um novo padrão de vida. Um dos elementos básicos desse novo padrão é a frequência regular de reuniões. Para o recém-chegado viver limpo é uma experiência inteiramente nova. Tudo aquilo que era familiar mudou. As velhas pessoas, os velhos lugares, as velhas coisas que serviam como adereços no palco das nossas vidas, desapareceram. Surgem novas pressões, já não mascaradas ou adormecidas pelas drogas. É por isso que costumamos sugerir aos recém-chegados que vão a uma reunião todos os dias. Não importa o que aconteça, não importa quão difícil o dia se torne, sabemos que a nossa reunião diária nos aguarda. Aí podemos renovar o contacto com outros adictos em recuperação, pessoas que sabem aquilo que nós estamos a atravessar porque também elas já o atravessaram. Não é preciso que haja um dia sem que procuremos o alívio que obtemos dessa irmandade. À medida que amadurecemos em recuperação, obtemos o mesmo tipo de benefícios de uma ida regular a reuniões. Não importa há quanto tempo estejamos limpos, nunca deixamos de ser adictos. É verdade que talvez não comecemos a usar enormes quantidades de drogas se faltarmos às nossas reuniões durante uns dias. Mas quanto mais regularmente formos a reuniões de NA, mais reforçaremos a nossa identidade como adictos em recuperação. E cada reunião ajuda-nos a afastar um pouco mais da possibilidade de voltarmos a ser adictos a usar. 

Só por hoje: Vou comprometer-me a incluir no meu novo padrão de vida uma ida regular a reuniões.

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Meditação do Dia QUARTA, 05 DE SETEMBRO DE 2012


Meditação do Dia

QUARTA, 05 DE SETEMBRO DE 2012


Não somos desesperadamente maus 
"Vemos que sofremos de uma doença, não de um dilema moral. O nosso problema é o de estarmos criticamente doentes, e não o de sermos desesperadamente maus." Texto Básico, p. 18 
Para muitos de nós Narcóticos Anónimos foi a resposta para uma já velha interrogação pessoal. Porque é que nos sentíamos sempre sozinhos, mesmo no meio de uma multidão? Porque é que fizemos tantas coisas loucas e autodestrutivas? Porque é que passávamos o tempo a sentir-nos mal connosco próprios? E como é que as nossas vidas se tornaram tão complicadas? Nós achávamos que éramos desesperadamente maus, ou talvez desesperadamente insanos. Foi assim um grande alívio vermos que sofríamos de uma doença. A adicção - era essa a fonte dos nossos problemas. Uma doença, fomos aprendendo, que podia ser tratada. E quando tratamos a nossa doença, podemos começar a recuperar. Hoje, quando vemos sintomas da nossa doença a virem à superfície nas nossas vidas, não precisamos de desesperar. Afinal de contas temos uma doença tratável, e não um dilema moral. Podemos estar gratos por podermos recuperar da doença da adicção através da aplicação dos Doze Passos de NA.

Só por hoje: Estou grato por ter uma doença tratável, e não um dilema moral. Vou continuar a aplicar o tratamento para a doença da adicção ao praticar o programa de NA.